sábado, 12 de dezembro de 2015

Um Café em Arles, retratado por Gauguin e Van Gogh, sua história e seus personagens



Um Café em Arles, retratado por Gauguin e Van Gogh, sua história e seus personagens



Em outubro de 1888, Gauguin foi para Arles a convite de Vincent van Gogh, para tentar construir uma comunidade de artistas que Van Gogh por muito tempo sonhou criar. Gauguin chegou em 20 de outubro e em 25 de dezembro, todas as esperanças haviam desaparecido, todos os planos foram anulados. Houve uma briga entre os dois seguida pela partida de Gauguin e a tragédia do ato em que Van Gogh cortou a própria orelha, o que o levou a se internar voluntariamente num asilo. Ele nunca mais viu Gauguin e sempre sentiu amargura sobre isso. Em Arles, Gauguin e Van Gogh trabalharam sobre os mesmos temas. Café em Arles (Madame Ginoux) é uma re-interpretação de duas pinturas de Van Gogh com a união da telas Café à Noite e o Retrato de Madame Ginoux (também conhecida como L'Arlésienne).


Vincent Van Gogh – Café à Noite, 1888 – óleo sobre tela – 72,4 x 92,1 cm - Yale University Art Gallery, New Haven
O título dessa pintura está inscrito no canto inferior direito, abaixo da assinatura. Van Gogh usou a pintura para liquidar suas dívidas com M. Ginoux, representado (em pé) na mesma.


No início de Novembro de 1888 Vincent van Gogh escreveu a seu irmão que Gauguin estava tentando também fazer uma pintura do Café à Noite que ele já tinha pintado. Madame Ginoux era a proprietária do Café de la Gare, em Arles, onde Van Gogh tinha se hospedado em sua chegada no Midi e o estabelecimento era frequentado por prostitutas, três das quais Gauguin retratou no fundo de sua versão. Depois Van Gogh mudou para a Casa Amarela em Arles, onde ele hospedou Gauguin. 


Paul Gauguin - Night Café at Arles (Madame Ginoux), 1888 – óleo sobre tela - 73 x 92 cm - Pushkin Museum, Moscow

Gauguin retrabalhou a tela, adicionando a figura à extrema esquerda e o homem que conversa com as prostitutas. Estas duas figuras, e a Madame Ginoux, já haviam sido retratados por Van Gogh em outras obras. A pintura é assinada em dois lugares: na mesa de mármore e na borda da mesa de bilhar.


Vincent Van Gogh - Retrato de Madame Ginoux (L'Arlésienne) com Luvas e Sombrinha  – 1888 – óleo sobre tela – 92,5 x 73,5 cm - Musée d'Orsay, Paris


Retrato de Madame Ginoux (também conhecida como L'Arlésienne). é o título dado a um grupo de seis pinturas similares de Vincent van Gogh, pintadas em Novembro de 1888 (ou posterior) em Arles, e em Fevereiro de 1890, em Saint-Rémy.  Marie Julien Ginoux tinha cerca de 40 anos, então. As relações de Van Gogh com M. e Mme. Ginoux eram comerciais, mas a chegada de Gauguin em Arles alterou a situação. Seu charme encantou a senhora, e nos primeiros dias de Novembro de 1888, a Madame Ginoux concordou em posar para Paul Gauguin, e seu amigo Van Gogh. Gauguin fez um desenho a carvão e Van Gogh fez essa pintura completa em apenas uma hora de trabalho.


Vincent Van Gogh - L'Arlésienne: Madame Ginoux com Livros – óleo sobre tela – 91,5 x 73,7 cm - Metropolitan Museum of Art, New York
Nessa segunda versão, Van Gogh trocou as luvas e sombrinha por livros.


Paul Gauguin - Portrait of Madame Ginoux, 1888 – desenho a carvão vegetal


Enquanto no asilo em Saint-Remy, Van Gogh pintou mais cinco retratos de Madame Ginoux, com base no desenho a carvão de Gauguin. Destes, um era para Gauguin, um para seu irmão Theo, um para ele e outro para Madame Ginoux. A versão destinada à Madame Ginoux foi perdida e não foi recuperada. Esta é a versão que Vincent estava entregando à Madame Ginoux em Arles, quando sofreu sua recaída em 22 de fevereiro de 1890. Em uma carta inacabada para Gauguin, que nunca foi enviada, Vincent comentou que trabalhar nesse retrato lhe custou mais um mês de doença . A versão de Gauguin era a única com um fundo rosa, atualmente no Museu de Arte de São Paulo, Brasil. A versão destinada a Theo, é a que tem o fundo estampado com flores e foi vendida em um leilão em 2006 por mais de US$ 40 milhões. 

Gauguin ficou entusiasmado com o retrato, e escreveu: "Eu vi a tela de Madame Ginoux. Muito fina e muito curiosa, eu gosto mais dela do que do meu desenho. Apesar de seu estado enfermo você nunca trabalhou com tanto equilíbrio, enquanto conserva as sensações e o calor interior necessários para uma obra de arte, precisamente numa época em que a arte é um negócio regulado com antecedência por cálculos frios.

Em uma carta à sua irmã Wil, de 05 de Junho de 1890, Vincent expôs a sua filosofia para fazer retratos: "Eu quero fazer retratos que aparecerão como revelações para as pessoas daqui a uma centena de anos. Em outras palavras, eu não estou tentando alcançar este objetivo por semelhança fotográfica, mas sim mostrando expressões apaixonadas, usando nosso conhecimento moderno e apreciação da cor como um meio de mostrar e exaltar personalidades.


Vincent Van Gogh - L'Arlésienne, 1890 – óleo sobre tela – 63 x 47 cm - Kröller-Müller Museum, Otterlo


Vincent Van Gogh - L'Arlésienne, 1890 – 60 x 50 cm - Galleria Nazionale d'Arte Moderna, Rome


Vincent Van Gogh - L'Arlésienne, 1890 – coleção particular


Vincent Van Gogh - L'Arlésienne, 1890 – óleo sobre tela – 65 x 54 cm - Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp)


As pinturas extremamente originais de Gauguin (Eugène-Henri-Paul Gauguin, Paris 1848 – 1903 Atuona, Hiva Oa, French Polynesia) influenciaram profundamente a arte moderna do século XX. Descrito como um "pós-impressionista ', ele se inspirou em Pissarro para a pintura, mas desenvolveu um estilo simbólico, usando a cor para expressar significado. As tradições da arte ocidental e culturas fora da Europa influenciaram seu trabalho. O gosto de Gauguin por viagens e novas experiências começou quando, ainda criança, mudou de Paris para o Peru. Em 1883 ele abandonou a corretagem de valores para se dedicar à pintura em tempo integral. Pintou na Bretanha, e em Provence com Van Gogh. Gauguin viajou para o Panamá e Martinica e se estabeleceu no Tahiti por vários anos. Ele faleceu nas remotas Ilhas Marquesas.


Vincent Willem van Gogh (Zundert, 30 de Março de 1853 — Auvers-sur-Oise, 29 de Julho de 1890) foi um pintor pós-impressionista holandês. Seu trabalho teve uma grande influência na arte do século 20. Sua produção inclui retratos, auto-retratos, paisagens e naturezas-mortas de ciprestes, campos de trigo e girassóis. Ele completou muitas de suas obras mais conhecidas durante os dois últimos anos de sua vida. Em pouco mais de uma década, produziu mais de 2.100 obras de arte, incluindo 860 pinturas a óleo e mais de 1.300 aquarelas, desenhos, esboços e gravuras.


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário