sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Os amores de Van Gogh

Vincent Van Gogh - "Sien's Mother's House Seen from the Backyard" – 1882 – lápis e giz sobre papel - 29 x 45.5 cm 

Os amores de Van Gogh - (veja mais pinturas de Sien e análise de duas obras)


"É preciso ser bom e gentil com as mulheres, as crianças e os mais fracos. Eu tenho uma espécie de respeito por eles. Sou movido por eles ". (Carta, Julho 1882)

Van Gogh sentiu fome de amor durante toda a sua vida turbulenta, mas sua personalidade contraditória e complexa e a falta de habilidades sociais não permitiram que ele fosse feliz em sua vida pessoal.

Quando tinha 22 anos, ele se apaixonou por Eugénie Loyer, mas quando ele finalmente confessou seu sentimento a ela, foi rejeitado.


Eugénie Loyer


Durante o verão 1881 em Etten ele passou muito tempo caminhando e conversando com sua prima que ficara viúva recentemente, Kee Vos-Stricker. Kee era sete anos mais velha que Van Gogh e tinha um filho de oito anos de idade. Ele propôs casamento, mas ela recusou com as palavras: "Não, nunca, nunca" (niet, nooit, Nimmer). Kee se recusou a vê-lo e seus pais lhe escreveram: "Sua persistência é repugnante". Um dia, em desespero, ele segurou sua mão esquerda sobre a chama de uma lamparina, com as palavras "Deixe-me vê-la por quanto tempo eu puder manter a minha mão no fogo".


Kee Vos Stricker com seu filho - c. 1879/1880


Em janeiro de 1882 em Haia, ele conheceu Sien, que era uma prostituta alcoólatra, tinha uma filha de cinco anos de idade e estava grávida. Em 2 de julho, Sien deu à luz um menino, Willem. Conhecida como Sien Hoornik, Clasina Maria Hoornik (1850 - 1904) viveu com Van Gogh durante boa parte do tempo que ele morou em Haia (1881-1883). Sien posou como uma modelo para o seu trabalho e mais tarde mudou com sua filha para a casa de Van Gogh, que fez desenhos e pinturas de Sien e sua filha, seu bebê e sua mãe durante esse período, que refletia a vida doméstica e as dificuldades dos trabalhadores pobres. O relacionamento deles não foi aceito por sua família, com exceção de seu irmão Theo. Mas contribuiu, sem dúvida, a uma cisão com Anton Mauve, um primo e um notável pintor da Escola de Haia, que havia introduzido Van Gogh para a pintura, bem como o apoiava financeiramente, e a quem Van Gogh reverenciava. Por insistência de seu irmão Theo, Van Gogh deixou Sien em 1883 para pintar em Drenthe, pondo fim à única relação doméstica ele teve. Sien retomou sua vida como costureira, faxineira e provavelmente prostituta antes de se casar em 1901. Em 12 de Novembro de 1904, aos 54 anos, ela se jogou no rio Schelde e se afogou.


Maria Hoornik, filha de Sien Hoornik 


No Outono de 1884, em Nuenen, Margot Begemann, filha de um vizinho e dez anos mais velha do que Vincent, acompanhava muitas vezes o artista em suas incursões de pintura. Ela se apaixonou e ele retribuiu, embora com menos entusiasmo. Eles decidiram se casar, mas a ideia foi contestada por ambas as famílias. Como resultado, Margot tomou uma overdose de estricnina. Ela foi salva quando Van Gogh a levou imediatamente para um hospital próximo.


Margot Begemann, (Amsterdam, Van Gogh Museum - Documentation)


Em 1885, depois de pintar a tela “Os Comedores de Batata”, ele foi acusado de abusar de uma de suas jovens modelos, a camponesa de dezessete anos de idade Stien de Groot, que engravidou naquele mês de setembro.

Um dia, a prostituta Rachel, uma mulher amável, disse a Vincent que ela gostava dele. Para a pergunta "O que você gosta?", ela respondeu: "Suas orelhas". Na véspera do Natal de 1888, depois de uma briga com Gauguin, quando confrontado com uma lâmina de barbear, Van Gogh em pânico fugiu para um bordel local. Enquanto estava lá, ele cortou a parte inferior do lóbulo da sua orelha esquerda. Ele envolveu o tecido cortado em jornal e entregou a Rachel, pedindo-lhe para "manter este objeto com cuidado". Vincent então cambaleou de volta para a Casa Amarela onde morava e desmaiou. Ele foi descoberto pela polícia e internado no hospital Hôtel-Dieu em Arles.
Depois desse episódio o estado mental de Vincent flutuou descontroladamente. Às vezes ele estava completamente calmo e coerente, em outras, sofria de alucinações e delírios. Vincent continuou a trabalhar esporadicamente de sua "Casa Amarela", mas o aumento da frequência de seus colapsos mentais o levou, com a ajuda de Theo, a se internar voluntariamente no hospício de Saint Paul-de-Mausole em Saint-Rémy-de-Provence. Em 29 de Julho de 1990 ele faleceu depois de ter atirado contra o próprio peito dois dias antes.

Algumas pinturas e desenhos de Sien:


Vincent Van Gogh – Mulher Sentada – Abril de 1882 -  lápis, caneta e pincel em tinta preta, lavagem marrom / sepia, aquarela branca opaca, vestígios de quadratura, sobre papel - Kröller-Müller Museum, Otterlo, The Netherlands



Vincent Van Gogh - "Sien com um charuto, sentada no chão ao lado da lareira" – Abril de 1882 -    lápis, giz preto, caneta e pincel, sépia, lavado e aumentado com branco - Kröller-Müller Museum, Otterlo, Netherlands


Vincent Van Gogh - "Sien Descascando Batatas" – 1883 – giz preto - Gemeentemuseum Den Haag, The Hague, The Netherlands


Vincent Van Gogh - "Sien Amamentando Bebê" – 1882 – aquarela


Vincent Van Gogh – "Sien Costurando – Meia figura" – 1883 – lápis e giz preto - Museum Boijmans Van Beuningen, Rotterdam, The Netherlands


Vincent Van Gogh – "Sorrow" (Tristeza) – 1882 - lápis, caneta e tinta sobre papel - 44.5 cm × 27.0 cm - The New Art Gallery Walsall, England



"Sorrow" é amplamente reconhecida como uma obra-prima do desenho, o ponto culminante de um aprendizado longo e por vezes incerto por Van Gogh para aprender seu ofício. Ele é mencionado em uma série de cartas de Van Gogh, que o considerou um trabalho importante e descreveu o desenho como "a melhor figura que eu tenha desenhado". Em uma carta de Julho de 1882 Van Gogh escreveu: “Eu quero fazer desenhos que tocam algumas pessoas. “Sorrow” é um pequeno começo, pelo menos há algo diretamente do meu próprio coração”. Van Gogh retrata Sien Hoornik como uma mulher marcada pela vida. No desenho está inscrita a frase "Comment se fait-il qu'il y ait sur la terre une femme seule, délaissée?", que se traduz em “Como pode haver na terra uma mulher sozinha, abandonada ?”, uma citação do livro "La Femme". do historiador social Jules Michelet .


 Vincent Van Gogh - "Duas mulheres passeando (Sien gravida e sua mãe)" – 1882 – lápis sobre papel



Vincent Van Gogh - "Mulher (Sien)com Bebê no Colo" – Meia figura – 1882 – lápis e aquarela - Rijksmuseum Kröller-Müller, Otterlo, Netherlands


Vincent Van Gogh – "Menina Ajoelhada ao Lado de Berço (Maria and Willem)"- Março de 1883 – desenho (lápis, carvão acentuados com branco) - Van Gogh Museum


Vincent Van Gogh - "Sien's Mother's House, Closer View" – 1882 – lápis sobre papel - Norton Simon Museum, Pasadena, CA, USA


A parte traseira do jardim de casa da mãe de Sien, Haia, foi um dos seis desenhos encomendados para apresentar cenas pitorescas da cidade pelo negociante de arte e tio de Vincent van Gogh, CM Van Gogh. Muito mais do que apenas uma vista selecionada aleatoriamente, o tema teve um grande significado pessoal para o artista. Na verdade, a casa e o jardim representados neste desenho meticuloso pertenciam à mãe da amante de van Gogh e modelo freqüente, Clasina (Sien) Hoornik. A ligação pessoal com a localização, no entanto, parece perdida sob o lápis e a tinta nos traços precisamente governados do artista, onde a teia extraordinária de planos, linhas e ângulos são pontuadas apenas pela curva da folhagem, os vasos de plantas, e as pinceladas de tinta branca. A rigidez foi deliberada: no momento, Van Gogh estava experimentando uma grade quadriculada para ajudá-lo a praticar perspectiva.


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.

A autora desse blog se sente honrada porque essa postagem foi curtida, comentada e compartilhada no Twitter pelo site Van Gogh Brabant, da cidade natal de Van Gogh.





Um comentário: