sexta-feira, 1 de maio de 2015

A história do muguet, a flor de Maio e da sorte, com pinturas e antiguidades


A história do muguet, a flor de Maio e da sorte, com pinturas e antiguidades

Essa florzinha singela e perfumada tornou-se um símbolo do mês de maio, tempo de primavera na Europa. Contam que os Celtas festejavam o muguet no primeiro dia do mês de maio. Na idade média ela era colhida para festejar as noivas; na França do Renascimento, Charles IX recebeu um galhinho de muguet no primeiro de maio e instituiu o costume de oferecer muguets, nessa data, às damas da corte.

Em seguida, as costureiras, também na França, cultivavam a tradição de oferecer muguets às crianças no dia primeiro de maio, como porte-bonheur (símbolo de boa sorte) costume que foi incorporado pelos trabalhadores, que transformaram a singela flor em símbolo da festa do trabalho.

O muguet é uma planta das regiões temperadas ela cresce nos bosques, em locais protegidos da luz intensa, na Ásia na Europa e nos Estados Unidos e desabrocha no início da primavera. Ele simboliza a entrada da primavera no hemisfério norte.


As flores, que têm a forma de pequenos sinos, também são conhecidas como Lis de la Vallée (lírio do vale); elas exalam um perfume delicioso e são consideradas como símbolos de felicidade e da boa sorte. O Muguet é a flor símbolo da Finlândia. Na França e na Bélgica ele é oferecido aos familiares e aos amigos no dia 1 de Maio, “Dia do Trabalho”, com votos de felicidades e prosperidade, e simboliza também, na França, os 13 anos de casamento, as Bodas de muguet. Também é uma flor muito usada em buquês de noivas (casamento de Kate Middleton com o Príncipe William da Inglaterra, e no casamento de Grace Kelly com o Príncipe Rainier de Monaco).


Bouquet De Muguet Dans Un Vase - Suzanne Valadon - óleo sobre tela


“Muguet” - Jeffrey T. Larson



"Lilies Of The Valley" -  Edouard Panov


Albert Dürer Lucas - Lily of the Valley, 1888 - óleo sobre madeira


    

Colar “Muguet” – René Lalique – c. 1925 – em vidro opalescente verde e ouro

Broche "Muguet" - Peter Carl Fabergé - em ouro, esmalte e ametista Moscou, Russia 1899-1908





    

















Floreira com base em majolica (um tipo de cerâmica) - George Jones – Inglaterra, Século XIX

Prendedor de cabelo em chifre, ouro e esmalte - René Lalique - 1900 - Cleveland Museum of Art



Ovo de Páscoa "Lillies of the Valley" - Peter Carl Fabergé - 1898 – em ouro com diamantes, rubis, pérolas e esmalte



    

Ilustração Art Nouveau “Lily of the Valley” - E.Docker para Penhaligons

Cartão postal Art Nouveau


Cartão postal francês - 1904


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.



22 comentários:

  1. Adorei..beijo da isabella

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso saber a existência dessa planta!

    ResponderExcluir
  3. Lindo Maravilhoso se torna raro no restó do mundo assim como uma verdadeira amizade.

    ResponderExcluir
  4. Felicidades a todos! Espedita China

    ResponderExcluir
  5. Me senti encantada ao ganhar essas flores e descobrir que é meu nome!

    ResponderExcluir
  6. Que linda Flôr,e carrega um sentimento de nobreza e carinho.

    ResponderExcluir
  7. Fiquei apaixonada. Como consigo muda desta flor tão linda?

    ResponderExcluir
  8. Muito linda, estas flores e a sua História,,,😇😅🤣🥰🌼

    ResponderExcluir
  9. Adorei prima! Não sabia tanto sobre essa mimosura!


    ResponderExcluir
  10. Puschkin escreveu versos sobre essa florzinha. Deve haver muito nas florestas da Rússia, Afganistao, Turquia....

    ResponderExcluir
  11. Adorei saber mais, vi q é a flor usada no perfume q eu mais gosto, o florara in blue e resolvi pesquisar. Na Bíblia há uma passsagem q diz “Eu sou o lírio dos vales”

    ResponderExcluir