sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Análise da pintura de Paul Cèzanne: “A Cesta de Maçãs”

Paul Cèzanne - The Basket of Apples (A Cesta de Maçãs), c. 1893 – óleo sobre tela – 65 x 80 cm – Art Institute of Chicago, Chicago, IL, USA


Análise da pintura de Paul Cèzanne: “A Cesta de Maçãs”


Essa pintura ajudou a formar uma ponte entre o Impressionismo e o Cubismo. Apesar de sua perspectiva desigual, ela tem uma composição equilibrada. Nela, a garrafa inclinada, a inclinação da cesta e as linhas cortadas dos biscoitos engrenam com as linhas da toalha de mesa. Além disso, o lado direito da mesa não está no mesmo plano do lado esquerdo, como se a imagem refletisse simultaneamente dois pontos de vista. A mesa é um retângulo impossível sem ângulos retos. A modelagem pesada, pinceladas sólidas e cores brilhantes dão à composição uma densidade e um dinamismo que uma natureza morta mais realista nunca poderia possuir.

“A Cesta de Maçãs”, uma das raras obras assinadas de Cézanne, fez parte de uma importante exposição dedicada ao artista pelo comerciante de arte parisiense Ambroise Vollard em 1895. Como Cézanne passou a maior parte de sua carreira pintando isoladamente em sua Provença natal, essa foi a primeira oportunidade em quase vinte anos para que o público visse o trabalho do artista que agora é saudado como o pai da pintura moderna.

Segundo Paul Cézanne, "arte é uma harmonia paralela à natureza, não uma imitação da natureza”. Na busca de estruturas e composições, afirmava que o artista não é obrigado a representar objetos reais no espaço real. As formas geométricas e a perspectiva desconexa de Cézanne, fizeram dele uma inspiração para Pablo Picasso, o cubismo e arte abstrata do século 20.

Paul Cézanne (Aix-en-Provence, 19 de janeiro de 1839 - Aix-en-Provence, 22 de outubro de 1906) foi um artista francês e pintor pós-impressionista cujo trabalho lançou as bases da transição da concepção artística do século XIX para um mundo da arte novo e radicalmente diferente da arte no século XX. As pinceladas exploratórias frequentemente repetitivas de Cézanne são altamente características e claramente reconhecíveis. Ele usou planos de cor e pinceladas pequenas que se acumulam para formar campos complexos. As pinturas transmitem como Cézanne estudava intensamente seus temas. Cézanne formou a ponte entre o impressionismo tardio do século XIX e a nova linha de investigação artística do início do século XX, o Cubismo. Tanto Matisse quanto Picasso diziam que Cézanne "é o pai de todos nós".

Esse blog possui mais artigos sobre Paul Cézanne. Clique sobre esses links para ver:





Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas por favor o compartilhe, usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais. Obrigada.


2 comentários:

  1. Oi, Betty
    Amo as suas explicações tão claras. Passei a entender um pouco mais da obra de Cézanne. Bj

    ResponderExcluir