quarta-feira, 30 de abril de 2014

Mesa escrivaninha "Layers"


Mesa escrivaninha "Layers" - com pés em metal tubular e tampos e gaveta em folheado de madeira
Designer: Gino Carollo para Calligaris

Banco de couro "Nuno"


Banco de couro "Nuno" - com compartimento interno
Designer: Kensaku Oshiro para Zanotta



Luminária "Orbit Pendant Lamp"


Luminária "Orbit Pendant Lamp" - em alumínio, com "órbitas" ajustáveis
Design: Ixism

Residência "Brake House"


Residência "Brake House" - seguindo os princípios do Feng Shui, em Auckland, Nova Zelândia
Arquitetura: Sang Architects & Company Limited 


terça-feira, 29 de abril de 2014

A importância do desenho para Vincent Van Gogh


A importância do desenho para Vincent Van Gogh (1853–1890)


Geralmente ofuscados pela fama e familiaridade de suas pinturas, mais de 1.100 desenhos de Vincent van Gogh permanecem comparativamente desconhecidos, embora eles estejam entre suas criações mais engenhosas e marcantes. Van Gogh engajou desenho e pintura em um diálogo rico, o que lhe permitiu realizar plenamente o seu potencial criativo em ambos os meios de expressão.
Em grande parte autodidata, Van Gogh acreditava que o desenho era "a raiz de tudo". Suas razões para desenhar eram inúmeras. No início de sua carreira, ele sentiu a necessidade de dominar o preto e branco antes de tentar trabalhar em cores. Assim, desenhos formaram uma parte inseparável de seu desenvolvimento como pintor. Houve períodos em que ele desejava fazer nada além de desenhar. Às vezes, era uma questão de economia: os materiais que precisava para criar seus desenhos - papel e tinta comprados em lojas próximas e canetas que ele mesmo cortava com um canivete -eram baratos, enquanto que as tintas e telas caras tinham que ser encomendadas e enviadas  de Paris. Quando os violentos ventos Mistral tornaram impossível para ele montar um cavalete, ele descobriu que podia desenhar em folhas de papel pregado com segurança a uma tábua.

"Two Self-Portraits and Several Details" - outono de 1886, Paris - Lápis e caneta com tinta sobre papel - 31,6 x 24,1 cm 
Rijksmuseum Vincent van Gogh, Amsterdam 

Van Gogh usou desenho para praticar temas interessantes ou para capturar uma impressão no local, para enfrentar um tema antes de se aventurar na tela, e para preparar uma composição. No entanto, na maioria das vezes, ele inverteu o processo, fazendo desenhos depois de suas pinturas para dar a seu irmão e seus amigos uma idéia de seu mais recente trabalho.
Van Gogh produziu a maioria de seus maiores desenhos e aquarelas durante os pouco mais de dois anos que passou trabalhando em Provence.


"Estrada em Etten" - 1881 - giz, lápis, pastel, aquarela - 39,4 x 57,8 cm - Robert Lehman Collection, 1975  

Etten: 1881
Van Gogh estava sem rumo, até que, no final de 1880, ele decidiu assumir a prática da arte, principalmente a conselho de seu irmão Theo, que era sua principal fonte de apoio. Ele se mudou de Bruxelas para a casa de seus pais em Etten e se aplicou de todo o coração a um programa auto-concebido de instrução focada no desenho e no estudo de livros sobre técnica, anatomia e perspectiva de artistas.
Na esperança de se tornar uma espécie de ilustrador / pintor, Van Gogh começou desenhando figuras em poses relativamente estáticas, geralmente em perfil. Em poucas paisagens não premeditadas deste período, o artista revelou, pela primeira vez, o espírito incomum e engenhosidade.

"Viveiro em Schenkweg" - Abril de 1882 - Caneta de palha e tinta ferrogálica escovada e lavada; toques de guache e raspagem em papel - 29,6 x 58,5 cm - Bequest of Walter C. Baker, 1971  

Haia, Drenthe e Nuenen: 1882-1885
Enquanto na Holanda, Van Gogh manteve-se focado em seu estudo sobre a figura humana. Ele foi profundamente inspirado no realismo social dos mestres Rembrandt, Millet e Daumier, mas também admirava os relatórios gráficos sombrios de ilustradores de revistas. Em Haia (Janeiro de 1882-Setembro de 1883), ele encontrou modelos para desenhar em abrigos para os pobres e em ruas cheias à volta. Na rural Nuenen (Dezembro de 1883-Novembro de 1885), estudou camponeses que trabalham a terra ou tecelagem em teares.
Sempre mais à vontade desenhando paisagens, Van Gogh continuou a registar o cenário local em trabalhos com caneta, cada vez mais complexos, enquanto aperfeiçoava a sua mestria de perspectiva. Ele gostava de contato com os artistas da escola de Haia e pegou encomendas para duas séries de vistas da cidade, de seu tio CM van Gogh, um negociante de arte. Depois de uma breve estadia nos campos de turfa de Drenthe (Setembro-Novembro 1883), ele descobriu a sua voz como desenhista em Nuenen quando desenhou árvores sombrias do inverno no jardim da paróquia de seu pai.


"Rua em Saintes-Maries" - Julho de 1888 - Canetas (incluindo caneta de cana), escova, e tinta ferrogálica sobre giz em papel tecido (com suporte de papel tecido) - 24,3 x 31,7 cm - Bequest of Abby Aldrich Rockefeller, 1948  

Antuérpia e Paris: 1885-1888
Depois, um frustrante curto esforço para estar em conformidade com os padrões da academia de arte de Antuérpia, Van Gogh foi para Paris para morar com o seu irmão Theo e estudar no atelier de Fernand Cormon, onde conheceu os colegas Toulouse-Lautrec, Émile Bernard e John Russell. Na capital francesa (Março de 1886-Fevereiro de 1888), Vincent entrou em contato com muitos dos artistas de vanguarda da época, incluindo Pissarro, Seurat, Signac, e Gauguin. Ele despertou para a paleta luminosa dos impressionistas, o toque pontilhista dos neo-impressionistas, e as novidades de gravuras japonesas importadas. Como muitos de seus contemporâneos mais avançados, ele colocou de lado a prática do desenho para pintar em pinceladas curtas. Ao focar seu olhar sobre a cidade e seus subúrbios, ele manteve o ritmo com as tendências atuais e encontrou um cenário que lembrava sua casa.

"The Zouave" - Junho de 1888 - Aquarela, caneta de cana e tinta, giz de cera - 31.5 x 23.6 cm - Gift of Emanie Philips, 1962  

Permanência em Arles: Fevereiro 1888-Maio 1889
Depois de dois anos em Paris, Van Gogh ansiava por um refúgio ensolarado onde poderia "recuperar e reconquistar sua paz de espírito e auto-compostura". Em Fevereiro de 1888, ele seguiu para o sul para a cidade de Arles. Ele esperava atrair outros colegas ao seu "Estúdio no Sul", mas além da estadia fatídica de Gauguin naquele outono, Van Gogh passou a maior parte de sua estada de quinze meses sozinho. Seu posto Provençal não garantiu o companheirismo que ele desejava, mas em vez disso lhe proporcionou a distância necessária para a sua arte se tornar sua própria criação.
Em Arles, Van Gogh dependia em grande parte de papel e caneta para gabarito e diálogo. Desenhar, assim  como escrever, recuperou a importância que houvera para ele mais cedo na Holanda e mais uma vez tornou-se um marco de sua prática de trabalho. Ele descobriu na pena que ele fez com grama local, afiada com um canivete, uma ferramenta de desenho inteiramente solidária com seus objetivos: fácil de adquirir e usar, ousada e incisiva em seu pronunciamento. Por sua vez, ele se propôs a fazer "uma enorme quantidade desenhos", armado com os meios para produzir trabalhos que eram tão convincentes quanto aqueles em cores. Deixando de lado os papéis tradicionais atribuídos ao desenho e pintura, Van Gogh percebeu plenamente o potencial criativo de ambos.

"Doutor Gachet sentado em uma mesa com livros e um vidro com raminhos de Dedaleira" - em carta, 3 de Junho de 1890 Van Gogh Museum, Amsterdam 

Repetições: Desenhos depois de Pinturas
Enquanto vivia além do convencional, Van Gogh rotineiramente contava com os seus desenhos - pequenos esboços em suas cartas, bem como os de tamanho normal - para dar a sua família e amigos uma sensação de seu trabalho recente. Em Provence, ele explorou as estratégias antigas em novas formas. Durante o verão de 1888, enquanto suas últimas pinturas a óleo foram pregadas nas paredes de seu estúdio para secar, ele dedicou três semanas para reproduzi-las em trinta e dois desenhos com caneta e tinta que ele enviou para os colegas artistas Émile Bernard e John Russell, e ao seu irmão Theo.
 Van Gogh selecionou e criou as imagens com cada um dos destinatários claramente em mente. Com estas séries sucessivas de desenhos, ele esperava obter uma troca de trabalhos com Bernard, para conquistar o recalcitrante Russell como patrono prospectivo para Gauguin, e relatar o seu progresso para Theo.
 Nenhum de seus desenhos é uma cópia servil, longe disso. Van Gogh usou a oportunidade para reconsiderar e revigorar suas concepções originais de uma série de improvisações lineares ricamente inventivas.

A Corridor in the Asylum" - Maio ou Junho de 1889 - Giz preto e guache sobre papel Ingres cor-de-rosa - 65.1 x 49.1 cm - Bequest of Abby Aldrich Rockefeller, 1948  

Tomando Asilo em Saint-Rémy: maio 1889-maio 1890
Van Gogh passou um ano como um paciente voluntário no asilo de Saint-Paul-de-Mausole em Saint-Rémy. Sob os cuidados de médicos (que diagnosticaram sua doença como uma forma de epilepsia), o artista seguiu em frente, o ritmo da sua realização retardado apenas por restrições hospitalares, ataques recorrentes, e materiais de arte esgotados ou embargados. Estes desafios não derrotaram o seu espírito criativo, mas o estimulou. Quando ele era incapaz de pintar, ele recorria a suas ferramentas de desenho, às vezes em novas combinações com qualquer material que tinha em mãos.
Os desenhos de Van Gogh produzidos durante este período são estilisticamente diversificados e ricamente inventivos. Aqueles em cores - como suas pinturas da mesma época - sucederam em casar uma linha expressiva à cor, sintetizando os avanços que tinha conseguido em Arles com engenho inimitável.


"A Prefeitura de Auvers" - Junho / Julho de 1890 - Van Gogh Museum, Amsterdam 


Auvers: Maio-Junho 1890
Van Gogh saiu do asilo em Saint-Rémy em 16 de Maio de 1890, e rumou para o norte até a cidade de Auvers, não muito longe de Paris, onde poderia viver perto de Theo e ser cuidado pelo Dr. Paul Gachet, um colecionador e artista amador. Encantado com a aldeia pitoresca e revigorado pela qualidade da luz do norte, Van Gogh respondeu com uma nova paleta de azuis e verdes transportadas por rítmicas, linhas ondulantes. Em 70 dias, ele produziu cerca de setenta e cinco pinturas e cinquenta desenhos - principalmente esboços rápidos.
A carreira de Van Gogh chegou a um fim abrupto quando ele morreu em 29 de Julho de 1890,  de uma ferida de bala auto-infligida. Na época de sua morte, as pinturas que ele havia mostrado em exposições recentes em Paris e Bruxelas começaram a comandar o interesse de artistas e críticos. As perspectivas pareciam ainda mais promissoras para a obra de Van Gogh como desenhista, como um escritor ousadamente previu: "Pode estar certo de que, no futuro, o artista que morreu jovem receberá atenção principalmente para os seus desenhos"
Em grande parte autodidata, Van Gogh acreditava que o desenho era "a raiz de tudo."

Fonte:
Colta Ives
Department of Drawings and Prints, The Metropolitan Museum of Art 

Susan Alyson Stein
Department of European Paintings, The Metropolitan Museum of Art


"O Berço" - 1882 - Lápis sobre papel - Van Gogh Museum, Amsterdam, Netherlands 


"Camponesa em uma Lagoa do Jardim" - Nuenen, setembro / Outubro de 1885 - Crayon preto, caneta, escova e tinta preta, sépia e lápis sobre papel - 33 x 26.4 cm 


"O Semeador" - 1888 - Lápis, caneta, caneta de cana e tinta marrom, sobre papel tecido - 24,4 x 32 cm - © Van Gogh Museum, Amsterdam (Vincent van Gogh Foundation) 


"Bedroom in Arles" – Esboço em uma carta para Theo - Outubro de 1888 


A pintura retrata o quarto de Van Gogh na Place Lamartine em Arles, Bouches-du-Rhône, na França, conhecida como a Casa Amarela. A porta à direita abria para o piso superior e a escadaria, a porta à esquerda servia o quarto de hóspedes que preparou para Gauguin. A janela na parede da frente dava para a Place Lamartine e seus jardins públicos. Este quarto não era retangular, mas trapezoidal com um ângulo obtuso no canto esquerdo da parede da frente e um ângulo agudo à direita. Van Gogh, evidentemente, não gastou muito tempo com este problema, ele simplesmente indicou que houve uma canto, de alguma forma.


Assista um vídeo:



Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.


The Wallace Collection


The Wallace Collection - museu nacional numa residência histórica em Londres, Inglaterra
Em 25 galerias estão: pinturas francesas do século XVIII, mobília, porcelana e armaduras, entre outras preciosidades além de exposições temporárias.


Assista o maravilhoso vídeo:














Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.



Rod Stewart - The Motown Song


Rod Stewart - The Motown Song 

Residência "Villa 191"


Residência "Villa 191" - em Atenas Grécia
Arquitetura: ISV Architects

Luminária de teto "Gia Chandelier"


Luminária de teto "Gia Chandelier" - um buquê de flores copo-de-leite em latão polido
Design: Koket

Mesa de centro "C" - em madeira


Mesa de centro "C" - em madeira com forma inspirada em cabos USB
Designers: Oscar Ramos e Javier Olmeda Raya para Constructo

Poltrona "Longwool Ivory Beanbag"


Poltrona "Longwool Ivory Beanbag" - com com estofamento removível em lã de carneiro
Design: Auskin

Móveis modulares "Bandas" - Patricia Urquiola


Móveis modulares "Bandas" - poltronas e chaises com revestimento destacável e intercambiável preso por velcro, também usado como tapete 
Designer: Patricia Urquiola para GAN By Gandia Blasco




sábado, 19 de abril de 2014

quinta-feira, 17 de abril de 2014

É Primavera no Hemisfério Norte!


É Primavera no Hemisfério Norte!
"Spirit of Spring" - Alphonse Mucha - 1894

Banco/mesinha para crianças "Chient Savant" - Philippe Starck @ Milan Design Week


Banco/mesinha para crianças "Chient Savant" - em forma de cão, feito em polietileno
Designer: Philippe Starck




Luminária "Frozen" @ Milan Design Week 2014


Luminária "Frozen" - com aparência de gelo, em vidro assoprado
Designer: Maxim Velčovský para Lasvit

Lareira "Cocoon Vellum"


Lareira "Cocoon Vellum" - sobreposta à parede, alimentada com biocombustível, não necessita chaminé e não polui o ambiente - em aço inoxidável polido
Designer: Federico Otero

Bicicleta "Viks Bicycle"


Bicicleta "Viks Bicycle" - com design diferenciado, feita à mão, quadro em aço inoxidável pintado
Designer: Indrek Narusk

A menor caneta que imprime em 3D "Lix Pen"

 
A menor caneta que imprime em 3D "Lix Pen" - não há programa para guiar a caneta, ela cria objetos segundo o "desenho" feito pela mão do usuário
Assista o vídeo de demonstração: http://vimeo.com/akkromedia/lixpen3dpromo

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Thanks For The Memories - Rod Stewart



Thanks For The Memories - Rod Stewart

Cadeira "401" - relançamento de ícone de design @ Salone del Mobile 2014


Cadeira "401" - relançamento de ícone de design @ Salone del Mobile 2014
Designer: Alvar Aalto com tecidos de Hella Jongerius para Artek

Cadeira "Charcoal Armchair" @ Salone del Mobile 2014


Cadeira "Charcoal Armchair" - design escultural e contemporâneo em madeira e couro
Designer: Kensaku Oshiro para Matteograssi

Eletrodomésticos retrô "Smeg" @ Salone del Mobile 2014


Eletrodomésticos retrô "Smeg" - visual retrô com tecnologia de hoje
Designers: Matteo Bazzicalupo e Raffaella Mangiarotti (Deepdesign) para Smeg

domingo, 13 de abril de 2014

Carteira "Walnut Wallet"


Carteira "Walnut Wallet" - em madeira de nogueira e couro
Designer: Gökhan Eryaman para Haydanhuya

Residência "Boet House"


Residência "Boet House" - construída em terreno inclinado, em Liége, Bélgica
Arquitetura: Bruno Albert Architecte & Associés S.C


sábado, 12 de abril de 2014

Edifício Petersen Automotive Museum


Edifício Petersen Automotive Museum - com fitas de aço inoxidável na fachada que é iluminada por LED à noite - em Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos
Arquitetura: Kohn Pedersen Fox Associates

 
 
 

Desfile Triya @ Fashion Rio verão 2015


Desfile Triya @ Fashion Rio verão 2015