segunda-feira, 6 de março de 2017

Análise da pintura "Chop Suey" de Edward Hopper

Edward Hopper – Chop Suey, 1929 – óleo sobre tela – 81,3 x 96,5 cm – Collection of Barney A. Ebsworth


 Análise da pintura "Chop Suey" de Edward Hopper


Edward Hopper é famoso por suas pinturas que descrevem o isolamento e solidão das pessoas em relação à vida na cidade. Existem muitas características nessa pintura que retratam esse sentimento de isolamento, incluindo iluminação, características faciais dos personagens e seu posicionamento.

As duas mulheres que jantam sozinhas em um restaurante são um testemunho das mudanças fundamentais na sociedade americana. Até os anos 20, tal comportamento teria sido interpretado como inapropriado, mas a ascensão do feminismo em meados de 1920 contribuiu para mudanças graduais em tais percepções e restaurantes começaram a postar sinais em suas janelas "Tables for Ladies". Chop Suey era um nome comumente dado à maioria dos restaurantes chineses no segundo andar, no bairro Chinatown em Nova York.




Como em muitas das obras de Hopper, a pintura apresenta uma atenção especial aos efeitos da luz. Embora esta seja claramente uma obra figurativa, Hopper flerta com a abstração. As mulheres estão cercadas por um equilíbrio de formas geométricas: a mesa angular entre eles, as camadas de retângulos na janela de primeiro plano, e as manchas azuis e amarelas visíveis através da janela, que sugerem raios de luz no edifício adjacente.

A mulher de frente para nós, o homem em segundo plano, assim como a cabeça da mulher aparecendo no lado esquerdo da tela (seu corpo invisível), estão todos representados em um estado percebido de silêncio. Como manequins. Na verdade, não temos uma compreensão real da relação entre os dois pares. Vemos o isolamento e a relação ambígua entre os personagens da pintura. Não está claro se os companheiros de jantar estão sequer olhando ou conversando uns com os outros.

Hopper usou sua esposa, a artista Josephine Hopper (conhecida como Jo Hopper), com quem se casou em 1924, como modelo para as três formas femininas em suas pinturas. A partir do casamento, Jo foi a única modelo para todas as pinturas de Hopper.




Edward Hopper (Nyack, 22 de julho de 1882 — 15 de maio de 1967) foi um pintor, artista gráfico e ilustrador norte-americano conhecido por suas misteriosas pinturas de representações realistas da solidão na contemporaneidade. Em cenários urbanos e rurais, as suas representações refletem a sua visão pessoal da vida moderna americana. Temas de solidão, transitoriedade, e alienação permeiam as imagens fantasmagóricas de Edward Hopper. Embora ele resistisse o rótulo, Hopper foi um grande praticante da Pintura de Cenas Americanas, um movimento da era da Depressão, que rejeitou o modernismo e outras influências europeias, preferindo temas exclusivamente americanos em um estilo realista. Um mestre da narrativa tranquila, Edward Hopper imbuía momentos comuns com intensidade psicológica e complexidade. Os espectadores inevitavelmente encontram-se atraídos para suas cenas cuidadosamente compostas, identificando-se ou especulando sobre os personagens, frequentemente isolados em si mesmos.

Esse blog possui mais artigos sobre Edward Hopper. Clique sobre os links abaixo para ver:






Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas por favor o compartilhe, usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais. Obrigada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário