domingo, 30 de novembro de 2014

Um piquenique numa tarde de domingo em Box Hill

“A Sunday Afternoon Picnic at Box Hill” - Tom Roberts – 1886 – óleo sobre tela - 41 x 30.8 cm

Um piquenique numa tarde de domingo em Box Hill

Em 1882 uma estrada de ferro foi construída entre Melbourne e o município de Box Hill na Austrália, e em 1885 Tom Roberts visitou a área para pintar. O artista montou acampamento em terras pertencentes a um fazendeiro local e amigo. Junto com outros artistas, pintou a mata nativa local. Tom Roberts fez uma série de trabalhos nesta área. Thomas William "Tom" Roberts (1856 – 1931) foi um importante artista australiano.

Em “A Sunday Afternoon Picnic at Box Hill” (Um piquenique numa tarde de domingo em Box Hill) Roberts retrata um piquenique íntimo. Banhado em luz salpicada, um jovem casal relaxa no meio da mata, a mulher lê um jornal para seu companheiro. A crença nos benefícios do ar campestre para a saúde estava se tornando popular entre os moradores da cidade que buscavam atividades recreativas na mata ou perto do mar. O olhar observador de Roberts resultou em pequenos detalhes desta cena, como o rastro de fumaça do cachimbo do homem, a garrafa escura de vinho sobre o pano branco e a luz que cai suavemente sobre as folhas dos eucaliptos.

Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.


quinta-feira, 27 de novembro de 2014

"The First Thanksgiving 1621" - Jean Leon Gerome Ferris -1899

"The First Thanksgiving 1621" - Jean Leon Gerome Ferris  -1899 - óleo sobre tela

Feliz Dia de Ação de Graças a todos! 
Happy Thanksgiving to all!!

Thanksgiving, ou dia de Ação de Graças, é um feriado comemorado nos Estados Unidos na quarta quinta-feira de novembro. Tem sido celebrado como um feriado federal a cada ano desde 1863, quando, durante a Guerra Civil, o presidente Abraham Lincoln proclamou um dia nacional de "Ação de graças e de louvor ao nosso Pai beneficente que habita nos céus", a ser comemorado na última quinta-feira em Novembro.
O evento que os americanos comumente chamam de "primeira ação de graças" foi comemorado pelos peregrinos após a sua primeira colheita no Novo Mundo em 1621. Esta festa durou três dias, e teve a participação de 90 nativos americanos (como contabilizados pelo participante Edward Winslow) e 53 peregrinos.

Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.



terça-feira, 25 de novembro de 2014

Colors of the Universe – Esculturas Chinesas em Pedras, da Dinastia Qing (1644-1911) - exposição em New York



Colors of the Universe – Esculturas Chinesas em Pedras, da Dinastia Qing (1644-1911) - exposição em New York


Biombo de mesa com cena de paisagem – jade – 17,3 cm de diâmetro


Mão de Buda – jade (nefrita) – 16,2 x6,5 x 5,9 cm



A escultura em pedra é uma das artes mais antigas da China. Além do jade, o mineral, que possuia a mais alta estima, todas as pedras que pudessem obter um brilho após o polimento, sejam elas ágata, turquesa, malaquita, calcedônia, quartzo, jaspe, ou lápis-lazúli, também eram apreciadas. A escultura em pedra experimentou um desenvolvimento durante a dinastia Qing (1644-1911), quando uma abundante oferta de matérias-primas, artesãos excepcionalmente talentosos, e, principalmente patrocínio imperial, contribuíram para a criação de numerosas obras magníficas.


Cavalo Carregando Livros – jade (nefrita) – 11,6 x 10,4 x 5,3 cm


Vaso com Romã – quartzo rosa – 11,7 cm de altura


As esculturas de pedra do período Qing podem ser agrupadas em três categorias: adornos pessoais, tais como anéis, pulseiras e pingentes; artigos de uso diário, como porta-escovas e potes de água; e bibelôs, tais como cópias de antiguidades, montanhas em miniatura, animais e figuras humanas. As esculturas também podem ser classificadas pelo seu estilo decorativo: arcaico ou clássico, ou seja, as suas formas eram derivadas de vasos rituais antigos; "ocidental", que teve a influência da arte contemporânea Mughal do norte da Índia; e nova ou moderna, o que significa novas formas e desenhos criados durante a dinastia Qing.


Vaso com Design Floral – cornalina com ágata branca – 11,4 x 19,1 cm


Romãs – ágata – 11,4 x 19,1 cm


Um tema decorativo comum, especialmente entre as obras do novo estilo, foi o uso de rebuses (representações de palavras ou letras), que são símbolos associados a significados auspiciosos, para transmitir votos de prosperidade, longevidade, boa sorte, perpetuação de uma linha de família, ou o sucesso acadêmico. A tradição começou cedo, mas manteve-se em grande parte na cultura popular até os séculos XVI e XVII, quando mudanças sociais significativas e maior patrocínio imperial ajudaram a elevar o rebus à alta arte da corte.


Amendoins e Tâmaras – calcedônia – 2,9 cm de altura


Vaso com Bambu e Ameixeira – calcedonia – 14,6 cm de altura


Homem sentado em uma Gruta – lápis lázuli – 18,1 x 25,4 cm


Ornamento com Paisagem e Figuras – âmbar – 10,2 x 19,7 cm


Jarra com Melões e Borboleta – ametista – 7 x 7,3 x 10,8 cm

Até 8 de Março de 2015
The Metropolitan Museum of Art (MET)
1000 Fifth Avenue - New York, NY  10028-0198
Phone: 212-535-7710


Recipiente coberto na forma de um pássaro – cristal de rocha -  7.6 cm x 12.1 cm x 6.4 cm

Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Rita Lee - All My Loving (Bossa 'n Beatles)




Rita Lee - All My Loving (Bossa 'n Beatles)

A história da obra de arte: Henri de Toulouse–Lautrec - "The Seated Clowness (Mademoiselle Cha–u–Kao)"

Henri de Toulouse–Lautrec - "The Seated Clowness (Mademoiselle Cha–u–Kao)" – 1896 - Litografia impressa em cinco cores sobre papel - 51.9 x 40 cm


A história da obra de arte: Henri de Toulouse–Lautrec - "The Seated Clowness (Mademoiselle Cha–u–Kao)" 


Henri de Toulouse–Lautrec - "The Clown Cha-U-Kao" – 1895 – óleo sobre madeira – 81 x 59,7 cm


O sucesso dos cartazes de Toulouse-Lautrec para a publicidade de cabarets parisienses, como o Moulin Rouge, levou-o a produzir edições de luxo de gravuras de artistas de Montmartre, como esta da palhaça e dançarina Cha-u-Kao. Estas litografias foram destinadas a agradar aos fãs e colecionadores de gravuras. Ao contrário de outras imagens de Lautrec que apresentam Cha-u-Kao atuando, esta a captura fora do palco em um momento de repouso tranquilo. Sua pose relaxada e expressão cansada sugerem que estamos vislumbrando a pessoa por trás da personagem


Henri de Toulouse–Lautrec - "At the Moulin Rouge: The Clowness Cha-U-Kao" - 1895 – óleo sobre tela – 75 x 55 cm


Cha-U-Kao era o nome de uma artista francesa que atuou no Moulin Rouge e no Nouveau Cirque na década de 1890. Seu nome artístico veio do "chahut-caos", uma dança derivada do cancan. Ela foi retratada em uma série de pinturas de Henri de Toulouse-Lautrec. Cha-U-Kao logo se tornou um de seus modelos preferidos. O artista era fascinado por esta mulher que se atreveu a escolher a profissão masculina clássica de palhaço.


Henri de Toulouse–Lautrec - "The Clowness Cha-U-Kao Fastening Her Bodice" – 1895 – óleo sobre cartão – 64 x 49 cm


Henri Marie Raymond de Toulouse-Lautrec Monfa (24 de Novembro de 1864 - 9 de Setembro de 1901) foi um pintor pós-impressionista e litógrafo francês, conhecido por pintar a vida boêmia de Paris do final do século XIX. Sendo ele mesmo um boêmio, faleceu precocemente aos 36 anos. Trabalhou por menos de vinte anos mas deixou um legado artístico importantíssimo, tanto no que se refere à qualidade e quantidade de suas obras, como também no que se refere à popularização e comercialização da arte. Toulouse-Lautrec revolucionou o design gráfico dos cartazes publicitários, ajudando a definir o estilo que seria posteriormente conhecido como Art Nouveau. Filho mais velho do Conde Toulouse-Lautrec-Monfa, de quem deveria herdar o título, falecendo antes do pai.


Henri de Toulouse–Lautrec 

Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.



domingo, 23 de novembro de 2014

A história da obra de arte e de seu artista: James Peale e suas frutas outonais

James Peale - "Fruit Still Life with Chinese Export Basket" – 1824 – óleo sobre madeira National Gallery of Art


A história da obra de arte e de seu artista: James Peale e suas frutas outonais


O pintor norte-americano, James Peale, estava em meados dos seus 70 anos quando pintou esta obra. Uvas e maçãs falam da época de colheita, mas sua desolação nos leva a olhar mais de perto. Os frutos têm um sentido outonal de maturação, as suas manchas mostram o início de decadência.


Charles Willson Peale – “James Peale Painting a Miniature”


Pouco se sabe sobre James Peale (1749 - 1831) porque sua carreira foi ofuscada pela de seu famoso irmão mais velho, Charles Willson Peale (1741-1827). Nascido em 1749 em Chestertown, Maryland, filho de um imigrante inglês (que era professor), começou a trabalhar como aprendiz de marceneiro. Depois que seu irmão mais velho voltou de Londres em 1769 como um artista totalmente formado, James tornou-se seu assistente e aluno. Durante a Revolução Americana, ele serviu no exército continental, e aposentou-se no posto de capitão em 1779. James estabeleceu-se na Filadélfia e viveu na casa de seu irmão, até 1782, quando casou com Mary Claypoole, a irmã do gravador e retratista James Claypoole Jr.


James Peale - “George Washington”  - óleo sobre tela - ca. 1780-1786


Em meados dos anos 1780 ele se estabeleceu como pintor de retratos em miniatura, um campo que Charles cedeu a ele por um acordo especial em 1786. No final da década de 1780, tornou-se interessado em temas de paisagem. Seus primeiros exemplos desse gênero revelam familiaridade com as convenções artísticas britânicas. Quando sua visão enfraqueceu por volta de 1810, abandonou a pintura em miniatura e começou a especializar-se em grandes retratos e naturezas-mortas. James ainda exibiu naturezas-mortas na Academia Pennsylvania entre 1824 e 1830. No final da vida, retomou seu interesse em pintura de paisagem, e essas obras revelam um romantismo elevado. Três de suas filhas foram artistas consagradas.


James Peale - “Portrait of Irenee Dubocq of Philadelphia” - 1809 - aquarela sobre marfim, em moldura de ouro, com tampo de vidro - 8,25 x 7,30 cm 


Até o início dos anos 1790, a obra de James trazia a marca inconfundível de Charles, mas depois disso, ele desenvolveu um estilo mais fluente e colorido. James é agora reconhecido como o pintor miniaturista mais habilidoso de sua época, um dos fundadores da tradição americana de naturezas-mortas, e um pioneiro importante na pintura de paisagem antes do surgimento da Escola do Rio Hudson.


James Peale - “The Ambush of Captain Allan McIane” - 1803

Assista o vídeo sobre a cultura visual e alimentação na América Colonial do Século XIX:






Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.



sexta-feira, 21 de novembro de 2014

The Graduate - Mrs. Robinson Music Video - homenagem a Mike Nichols




The Graduate - Mrs. Robinson Music Video -  - homenagem a Mike Nichols

Mike Nichols (Berlim, 6 de novembro de 1931 - Nova York, 20 de novembro de 2014) foi um cineasta americano, uma das poucas pessoas do meio do cinema que ganhou prêmios nas quatro mais importantes premiações do showbizz americano: Oscar, Emmy, Grammy e Tony.

Ele começou sua carreira nos anos de 1950. Em 1968 ele ganhou o Oscar de Melhor Diretor pelo filme The Graduate. Dentre seus outros filmes destacam-se Quem Tem Medo de Virginia Woolf?, Carnal Knowledge,Working Girl, além da minissérie de televisão Angels in America. Ele também foi produtor teatral.

The Graduate (A Primeira Noite de um Homem) é um filme de 1967, uma comédia romântica dirigida por Mike Nichols e estrelada por Dustin Hoffman, Anne Bancroft e Katharine Ross. O filme também ficou conhecido, entre outros motivos, pela trilha sonora composta pela dupla de músicos folk Simon & Garfunkel (na qual lançariam canções que se tornariam sucessos da música pop como The Sound of Silence e Mrs. Robinson) e por ter iniciado a carreira do então desconhecido Dustin Hoffman. 


quinta-feira, 20 de novembro de 2014

25 Pinturas com Cavalos

René Magritte - "The Blank Cheque" - 1965

Sobre essa pintura, Magritte escreveu: "As coisas visíveis podem ser invisíveis. Se alguém monta um cavalo através de um bosque, primeiro  podemos vê-lo, e depois não, mas sabe-se que ele está lá. Em The Blank Cheque, a moça está escondendo as árvores, e as árvores estão escondendo ela. No entanto, os nossos poderes de pensamento compreendem tanto o visível quanto o invisível - e faço uso da pintura para tornar os pensamentos visíveis" - Rene Magritte.


25 Pinturas com Cavalos


Franz Marc - "Grazing Horses IV -The Red Horses" - 1911


Marc Chagall - "Equestrienne" - 1931


Edgar Degas - "Racehorses at Longchamp" - 1875


Georges Seurat - "Boy with Horse" - 1883


Hector Carybé - "Cavalgada"


Walter Crane - "Neptune's Horses" - 1892


Edouard Manet - "The Horsewoman" - 1875


 Henri de Toulouse-Lautrec - "At the Circus Fernando (The Rider)" - 1888


Nikolay Bogdanov-Belsky - "Children on a Horse" - c. 1930


Edvard Munch -  "Galloping Horse" - 1912


José Ferraz de Almeida Júnior - "Apertando o Lombilho" - 1895


Raoul Dufy - "The Duke of Reichstadt" - 1915


Edwin Henry Landseer - "Shoeing" - 1844


Claude Monet - "Jean Monet on His Hobby Horse" - 1872


M.C. Escher - "Horseman" - 1946


Jacques Louis Auguste David - "Napoleon Crossing the Alps" - 1802


Fernando Botero - "Man and Horse" - 1984


Edouard Manet - "Races at Longchamp" - c.1867


Joan Miro - "Horse, Pipe and Red Flower" - 1920


Alphonse Mucha - "Heraldic Chivalry"


Edvard Munch - "Horse Team" - 1919


Pierre-Auguste Renoir - "Riding in the Bois de Boulogne (Madame Henriette Darras or The Ride)" - 1873



Paul Gauguin - "Riders on the Beach II" - 1902



René Magritte - "The Fury of the G´ds" - 1960