terça-feira, 24 de julho de 2018

Série Alphonse Mucha – The Seasons (As Estações), 1896

Alphonse Mucha – The Seasons (As Estações), 1896 - litografias coloridas – 103 x 54 cm – impressor: F. Champenois, Paris


Série Alphonse Mucha – The Seasons (As Estações), 1896


Este foi o primeiro conjunto de painéis decorativos de Mucha e se tornou uma de suas séries mais populares. Era tão popular que Mucha foi convidado por Champenois para produzir pelo menos mais dois conjuntos baseados no mesmo tema em 1897 e 1900. Desenhos para mais dois conjuntos também existem. A ideia de personificar as estações não era novidade - exemplos podiam ser encontrados nas obras dos Antigos Mestres, assim como nas outras publicações de Champenois. No entanto, as mulheres parecidas com ninfas de Mucha, sobrepostas a vistas sazonais do campo deram nova vida ao tema clássico. Nos quatro painéis mostrados aqui, Mucha captura os humores das estações - Primavera inocente, Verão sensual, Outono frutuoso e Inverno gelado, e juntos representam o ciclo harmonioso da Natureza.


Alphonse Mucha – Spring (Primavera), 1896 - litografia colorida – 103 x 54 cm


Alfons Maria Mucha - (Ivančice, 24 de julho de 1860 — Praga, 14 de julho de 1939) foi um pintor, ilustrador e designer gráfico checo e um dos principais expoentes do movimento Art Nouveau. Entre seus trabalhos mais conhecidos estão os cartazes para os espetáculos de Sarah Bernhardt realizados na França, de 1894 a 1900, e uma série chamada Epopeia Eslava, elaborada entre 1912 e 1930.
Mucha se estabeleceu como um dos principais artistas de cartazes comerciais entre 1895 e 1900. Durante este período, seis cartazes de Mucha apareceram em Les Maîtres de l'Affiche, publicação mensal de Jules Chéret com os melhores cartazes da época, selecionados por ele. A partir desse momento, o estilo distintivo de Mucha foi chamado 'le style Mucha', tornando-se sinônimo do estilo Art Nouveau.


Alphonse Mucha – Summer (Verão), 1896 - litografia colorida – 103 x 54 cm


Ao ganhar um reconhecimento público mais amplo como o "Mestre do cartaz Art Nouveau", Mucha alcançou grande sucesso em um novo gênero: painéis decorativos ('panneaux décoratifs'). Painéis decorativos eram cartazes sem texto, projetados exclusivamente para apreciação artística ou decoração de paredes interiores. Foi o impressor Champenois quem inventou essa ideia do ponto de vista comercial: maximizar a oportunidade de negócios, reciclando os projetos de Mucha para muitas edições diferentes. No entanto, foi Mucha que os transformou em uma nova forma de arte, acessível e disponível para o público em geral, enquanto que, tradicionalmente, as obras de arte estavam disponíveis apenas para os poucos privilegiados. Mucha acreditava que, através da criação de belas obras de arte, a qualidade de vida poderia seria melhorada. Ele também acreditava que era seu dever como artista promover arte para pessoas comuns. Ele conseguiu cumprir ambos os objetivos por meio do seu conceito inovador de painéis decorativos produzidos em massa.


Alphonse Mucha – Autumn (Outono), 1896 - litografia colorida – 103 x 54 cm


Mucha produziu uma grande quantidade de pinturas, cartazes, propagandas e ilustrações de livros, esculturas, bem como desenhos para joias, tapetes, papéis de parede e cenários de teatro no que foi denominado inicialmente The Mucha Style, mas tornou-se conhecido como Art Nouveau (francês para "nova arte"). As obras de Mucha frequentemente incluíam belas mulheres jovens em vestes flutuantes, vagamente neoclássicas, muitas vezes cercadas por flores exuberantes que às vezes formavam halos atrás de suas cabeças.


Alphonse Mucha – Winter (Inverno), 1896 - litografia colorida – 103 x 54 cm


O estilo de Mucha foi exposto internacionalmente na Exposição Universal de 1900 em Paris, da qual Mucha disse: "Acho que a Exposition Universelle contribuiu para trazer valores estéticos para as artes e ofícios. Ele declarou que a arte existia apenas para comunicar uma mensagem espiritual, e nada mais.

Esse blog possui mais um artigo sobre Alphonse Mucha. Clique sobre o link abaixo para ver:



Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas por favor o compartilhe, usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais. Obrigada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário