quarta-feira, 6 de julho de 2016

Análise de “Autorretrato com Sete Dedos” de Marc Chagall

Marc Chagall – Autorretrato com Sete Dedos, 1912-1913 - óleo sobre tela - 126 x 107.5 cm - Stedelijk Museum, Amsterdam


Análise de “Autorretrato com Sete Dedos” de Marc Chagall


Fazer algo com sete dedos é uma expressão iídiche que significa fazer algo bem ou habilmente. Marc Chagall era um sonhador errante. A partir de sua humilde cidade natal de Vitebsk, Belarus, ele saiu para viver a grandeza de São Petersburgo, o romance de Paris, a liberdade de New York. Através de guerras, perseguição nazista, e a passagem de nove décadas, ele encontrou o amor, técnicas pioneiras no modernismo, e pintou. Acima de tudo, ele pintou.

Esta pintura não é uma imagem naturalista, no entanto, descreve muito sobre Marc Chagall como pessoa e como artista. A data da obra, 1912-1913, mostra que ela foi feita logo depois que ele mudou da Rússia para Paris. Sua localização em Paris é identificável porque a Torre Eiffel é visível através da janela. Em contraste com a sua localização geográfica, ele pintou imagens rurais, como uma leiteira e uma vaca. Sua cidade natal, Vitebsk, foi retratada em uma nuvem sobre sua cabeça. Enquanto ele estava na França, seus pensamentos e pinturas permaneceram centrados na Rússia.

Formalmente, as influências cubistas podem ser vistas nos planos desagregados que compõem o rosto do artista. Chagall mostra-se ainda mais nesta pintura colorida como preso entre dois mundos, escrevendo “Paris” e “Rússia” em letras hebraicas na parte superior da tela. A mão esquerda de Chagall tem sete dedos e o número sete era significativo para Chagall, por ele ter nascido no 7º dia do sétimo mês em 1887. E o número sete é tem muitas conotações místicas, na tradição judaica.
“Autorretrato com Sete Dedos” foi o primeiro autorretrato de Chagall, então com 25 anos de idade. Foi pintado em seu primeiro estúdio em Paris em La Ruche, Montparnasse, onde ele e 200 outros artistas viviam em miséria total.

Marc Chagall (Vitebsk 1887–1985 Saint-Paul-de-Vence) foi um artista prolífico, cuja carreira se estendeu por muitas décadas. Ele trabalhou em muitos tipos de mídias: desenho, pintura, mídia impressa e vitrais. Chagall participou dos movimentos modernos do pós-impressionismo incluindo surrealismo e expressionismo. Nascido perto da aldeia de Vitebsk, na atual Bielorrússia, Chagall mudou para Paris em 1910 permanecendo lá até 1914 para desenvolver seu estilo artístico, retornando à Russia por sentir saudades de sua noiva Bella, com quem se casou. Em 1923 mudaram novamente para a França, para escapar das dificuldades da vida soviética que se seguiram à I Guerra Mundial e à Revolução de Outubro. Em 1941, mudou para os Estados Unidos, escapando da Segunda Guerra Mundial e ali permaneceu até 1948, retornando para a França.

O início da vida de Chagall deixou-o com uma memória visual poderosa e uma inteligência pictórica. Depois de viver na França e experimentar a atmosfera de liberdade artística, ele criou uma nova realidade, que se baseou em ambos os mundos internos e externos. Mas foram as imagens e memórias de seus primeiros anos em Belarus, na Russia, que sustentaram a sua arte por mais de 70 anos. Há certos elementos em sua arte que se mantiveram permanentes e são vistos ao longo de sua carreira. Um deles foi a sua escolha dos temas e a forma como eles foram retratados. O elemento mais constante, obviamente, é o seu dom para a felicidade e sua compaixão instintiva, que mesmo nos assuntos mais sérios o impediam de dramatizar.

Uma dimensão simbólica sempre esteve presente nos temas de Chagall. Sem dúvida, esta abordagem ajudou Chagall a atingir a popularidade que seu trabalho desfrutava na época, mas ao mesmo tempo o desejo de ser compreensível emprestou às pinturas um toque de romantismo que parecia um pouco fora de época. Através de sua linguagem poética altamente original ele foi capaz de criar um novo universo a partir das três culturas diferentes que ele havia assimilado. Sua arte constitui uma espécie de mixagem entre culturas e tradições.

"Se eu criar com o meu coração quase todas as minhas intenções permanecem. Se for com a cabeça, quase nada. Um artista não deve ter medo de ser ele mesmo, de expressar apenas a si mesmo. Se ele é absolutamente e inteiramente sincero, o que ele diz e faz, será aceitável para os outros." – Marc Chagall.


Esse blog possui mais artigos sobre Marc Chagall. Clique sobre os links abaixo para ver alguns:





Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas por favor o compartilhe, usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais. Obrigada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário