quarta-feira, 1 de junho de 2016

A história de "Flaming June" de Sir Frederic Leighton

Sir Frederic Leighton - Flaming June - 1895 – óleo sobre tela - 120.6 x 120.6 cm - Museo de Arte de Ponce, Puerto Rico


A história de "Flaming June" de Sir Frederic Leighton 

No final de sua carreira, o artista britânico Frederic Leighton pintou a imagem agora icônica de uma mulher dormindo em um vestido cor de laranja. Esta obra-prima do século XIX incorpora a filosofia moderna de "arte pela arte", a crença de que o valor da arte se encontra em suas qualidades estéticas e não em seu assunto. A figura sensualmente drapeada, livre de qualquer contexto narrativo, está integrada num conjunto harmonioso de linhas rítmicas e cor radiante. A pintura mostra a natureza classicista de Leighton. A mulher retratada alude às figuras de ninfas de dormir e náiades esculpidas pelos os gregos. O ramo tóxico no canto superior direito simboliza o elo frágil entre o sono e a morte. As prováveis modelos da obra foram as atrizes Dorothy Dene e Mary Lloyd, que foram retratados em pinturas de vários artistas pré-rafaelitas.

Flaming June (Junho Ardente) foi iniciada como um motivo para adornar uma banheira de mármore em uma outra obra de Leighton, “Summer Slumber” (Descanso de Verão). Ele tornou-se tão ligado ao projeto que decidiu criá-la como uma pintura separada. A posição da mulher deu trabalho a Leighton. Ele fez vários esboços preliminares. Ele teve dificuldade em fazer o ângulo de seu braço direito parecer natural. Seus estudos mostram que a imagem passou por pelo menos quatro esboços evolutivos antes do resultado final. Destes estudos, quatro são nus e um é coberto. A figura coberta parece a menos realista, demonstrando a necessidade de Leighton desenhar a partir de um modelo nu para alcançar uma fidelidade à natureza.


Sir Frederic Leighton - Estudo para "Flaming June", c. 1894 – giz preto e branco - 36.7 x 28.1 cm - Leighton House Museum, London


A pintura tornou-se a imagem mais reconhecível de Leighton. O realismo do material transparente usado pela mulher, as cores incrivelmente ricas e o mármore em volta perfeitamente recriado, são característicos do trabalho de Leighton, assim como o seu uso de luz natural. Ele faz a luz do sol ao fundo parecer como ouro derretido.

Sir Frederic Leighton, 1.º Barão Leighton, (Scarborough, 3 de dezembro de 1830 - Londres, 25 de janeiro de 1896) foi pintor e escultor. Estudou na University College School em Londres, e foi buscar aperfeiçoamento na Europa. Passou alguns anos em Paris, com Ingres, Delacroix, Corot e Millet. Voltou a Londres em 1860, passando a fazer parte do grupo dos Pré-Rafaelitas. Em 1864 ingressou na Royal Academy, e desde então se tornou um artista celebrado. Seus temas eram históricos, bíblicos e clássicos. Sua casa é hoje um museu. Também foi membro do Institute de France e recebeu a Legião de Honra no grau de cavaleiro.


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas por favor o compartilhe, usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais. Obrigada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário