terça-feira, 14 de junho de 2016

A História de “O Filho do Homem” de René Magritte

René Magritte – O Filho do Homem, 1946 – óleo sobre tela – 116 x 89 cm – coleção particular


A História de “O Filho do Homem” de René Magritte


Magritte pintou O Filho do Homem como um autorretrato. A pintura mostra um homem em um sobretudo e um chapéu coco, em frente a uma mureta, e atrás dela, o mar e um céu nublado. O rosto do homem está em grande parte escondido por uma maçã verde pairando no ar. No entanto, os olhos do homem podem ser vistos, espreitando sobre a maçã. Outra característica sutil é o braço esquerdo do homem, que parece dobrar para trás, na altura do cotovelo. Essa pintura se assemelha a outras duas pinturas de Magritte: “The Great War on Facades” e “Man in the Bowler Hat”.


René Magritte - The Great War on Facades, 1964 – óleo sobre tela 


René Magritte - Man in the Bowler Hat, 1964 – óleo sobre tela


Sobre a pintura, Magritte disse: "Pelo menos ela esconde o rosto parcialmente. Bem, então você tem a face aparente, a maçã, escondendo o visível, mas oculto, o real rosto da pessoa. É algo que acontece constantemente. Tudo o que vemos esconde outra coisa, e nós sempre queremos ver o que está escondido, pelo que vemos. Há um interesse no que está escondido e que o visível não nos mostra. Este interesse pode assumir a forma de um sentimento bastante intenso, uma espécie de conflito, pode-se dizer, entre o visível que está oculto e o visível que está presente."


René Magritte 

René François Ghislain Magritte (1898 - 1967) foi um dos principais artistas surrealistas belgas. Em 1912 sua mãe, Régina, cometeu suicídio por afogamento no rio Sambre. Magritte estava presente quando o corpo de sua mãe foi retirado das águas do rio, mas algumas pessoas desacreditam essa história, que pode ter se originado com a enfermeira da família. Supostamente, quando sua mãe foi encontrada, o seu vestido estava cobrindo seu rosto, uma imagem que tem sido sugerida como a fonte de várias obras de Magritte, de pessoas com um pano obscurecendo seus rostos. Em 1916, Magritte ingressou na Académie Royale des Beaux-Arts, em Bruxelas, onde estudou por dois anos. Foi durante esse período que ele conheceu Georgette Berger, com quem casou em 1922. Trabalhou em uma fábrica de papel de parede, e foi designer de cartazes e anúncios até 1926, quando um contrato com a Galerie la Centaure, na capital belga, fez da pintura sua principal atividade.


René Magritte com Georgette

Magritte fez pinturas de objetos comuns em contextos incomuns, e assim criou sua própria forma de poesia para expressar seu inconsciente, de uma forma filosófica e conceitual. O artista, ao contrário dos outros surrealistas, era uma pessoa perturbadoramente comum, sempre vestindo um sobretudo, terno e gravata. Foi casado com sua esposa Georgette por 45 anos, sem qualquer escândalo, e a quem prometeu uma vida calma e tranquila, burguesa. Em suma, uma pessoa sem graça. Para Magritte suas pinturas não tinham qualquer significado, porque o mistério não tem significado. Ficamos apenas com o mistério e a incerteza, o que torna o trabalho dele mais misterioso e mais atraente.


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas por favor o compartilhe, usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais. Obrigada. 


22 comentários:

  1. Elis Mota, conforme etá no texto do artigo, segundo Magritte "...É algo que acontece constantemente. Tudo o que vemos esconde outra coisa, e nós sempre queremos ver o que está escondido, pelo que vemos. Há um interesse no que está escondido e que o visível não nos mostra..."

    ResponderExcluir
  2. Onde eu posso comprar uma réplica ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei onde há réplica para vender. Esse blog tem finalidade cultural e não comercial.

      Excluir
  3. Muito bom ajudou me no meu trabalho de história 😀

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom! Peço apenas para citar esse blog na bibliografia do seu trabalho. Obrigada.

      Excluir
  4. Penso que, o nome do quadro [o filho do homem] e a maçã no rosto, trata-se de uma referência a Caim, o primeiro homicida, pois na bíblia os decentes de Caim são chamados de “filhos dos homen”, bem, e a maçã é o pecado original.

    ResponderExcluir
  5. Quando foi publicado o quadro sabe?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa tela foi pintada em 1946, conforme está na legenda da foto.

      Excluir
  6. Incrível . Vai me ajudar bastante .
    🤗🤗🤗

    ResponderExcluir
  7. Ele apenas fez um autorretrato? Não tem um significado? Do tipo, foi feito para mostrar que cada um tem um eu diferente do que mostra, etc?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Magritte dizia que cada pessoa deveria interpretar as pinturas dele de seu próprio modo. Para Magritte suas pinturas não tinham qualquer significado, porque o mistério não tem significado. Ficamos apenas com o mistério e a incerteza, o que torna o trabalho dele mais misterioso e mais atraente. Esse não é o único autorretrato dele, ele fez vários. Nesse blog há um artigo sobre outro (La Clairvoyance (A Clarividência), 1936). Veja nesse link: https://www.arteeblog.com/2016/09/analise-da-pintura-la-clairvoyance-de.html

      Excluir
  8. Então eu estou fazendo um trabalho, e precisava saber o público abrangente e também a técnica que ele ultilizou

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A tela está numa coleção particular, porém sua imagem é pública e famosa. A técnica é tinta a óleo sobre tela.

      Excluir
  9. Estou fazendo um trabalho e eu preciso saber aonde é que foi pintado a obra o Filho do homem?

    ResponderExcluir