terça-feira, 17 de novembro de 2015

A história de “Schubert ao Piano” de Gustav Klimt

Gustav Klimt - Schubert ao Piano (Schubert am Klavier) – 1899 – óleo sobre tela – 150 x 200 cm - Destruída por um incêndio provocado por forças alemãs em retirada em 1945 em Schloss Immendorf, Áustria


A história de “Schubert ao Piano” de Gustav Klimt


Em 1898, o industrial grego Nikolaus Dumba encomendou a Hans Makart, Franz Matsch e Gustav Klimt a decoração de três cômodos em seu apartamento de luxo, com pinturas e também móveis. Isto era bem diferente de qualquer coisa que Klimt tinha feito antes: produzir duas pinturas para os painéis acima das portas para um cliente particular, em uma escala doméstica. A Klimt foi dada a sala de música. Enquanto uma das telas, "Música II", é uma obra alegórica remontando a pinturas anteriores, a outra, "Schubert ao Piano", é altamente inovadora. Provavelmente Dumba solicitou que Schubert fosse o tema da pintura, pois ele era certamente popular na época e também era o compositor favorito de Klimt. O que é particularmente notável sobre esse retrato é como Klimt abandonou completamente a ideia de uma representação histórica exata, mostrando os personagens em trajes contemporâneos. A iluminação sutil emitida pela vela tende a dissolver os elementos na imagem. Não é possível determinar o espaço em que os personagens são mostrados e apenas o perfil de Schubert se destaca, nitidamente focado.


Gustav Klimt – Music II – 1898 – óleo sobre tela – 150 x 200 cm - Destruída por um incêndio provocado por forças alemãs em retirada em 1945 em Schloss Immendorf, Áustria


Na pintura de Schubert, a jovem ruiva é Mizzi Zimmerman, que estava esperando um filho do pintor. O vestido de seda que ela está usando foi emprestado por Serena Lederer, uma vienense rica , mecenas das artes e colecionadora de 14 obras de Klimt, incluindo um retrato da amante de Egon Schiele, Valerie Neuzil.
Mizzi tambem posou nua para outra obra de Klimt, The Naked Truth (Nuda Veritas), mas Klimt (que havia engravidado outra moça ao mesmo tempo) não queria se casar com ela, alegando que recebera uma importante encomenda: pintar Medicina, Filosofia e Jurisprudência no teto da Universidade de Viena.


Gustav Klimt - The Naked Truth (Nuda Veritas) - 1899 – óleo sobre tela - 252 x 56,2 cm - Austrian Theater Museum , Vienna

O texto do poeta alemão Schiller na parte superior da pintura diz: "Se você não pode agradar a todos com suas ações e sua arte, você deve satisfazer alguns. Agradar a muitos é perigoso". O tom um pouco agressivo desta inscrição, combinado com o espelho que a figura feminina estende para o espectador, nos convidando a examinar a nós mesmos, talvez possa estar relacionado com a rebeldia do movimento Secessão.

A pintura "Schubert ao Piano" não pode ser mais vista: Essa e outras telas da coleção de Serena Lederer foram destruídas pelos nazistas em 1945. Serena Lederer levou a coleção de 14 pinturas de Klimt para o museu de Schloss Immendorf, para ficarem mais seguras. mas os nazistas em retirada (1945) atearam fogo no museu. Muitas obras de Klimt foram destruídas, incluindo: Golden Apple Tree, Philosophy and Jurisprudence (que Lederer comprou quando a Universidade de Viena rejeitou a obra), Girl Friends e Music II. O número exato de pinturas queimadas em Schloss Immendorf é desconhecida.


Veja mais pinturas de Serena Lederer e leia a história dela no artigo desse Blog: "Grandes marchands e mecenas da arte: Serena Lederer (Gustav Klimt)" – clicando no link abaixo:



Franz Peter Schubert ( 31 de Janeiro de  1797, 19 de Novembro de 1828) foi um compositor austríaco. Embora falecido aos 31 anos, Schubert foi um compositor prolífico, tendo escrito cerca de 600 Lieder (canções executadas por piano e cantor), nove sinfonias (incluindo a famosa "Symphony No. 8 (Unfinished Symphony)”, música litúrgica, óperas, músicas incidentais e um grande corpo de música de câmara e música solo de piano. A apreciação da música de Schubert durante sua vida foi limitada, mas o interesse por seu trabalho aumentou significativamente nas décadas após a sua morte. Franz Liszt, Robert Schumann, Johannes Brahms e Felix Mendelssohn, entre outros, descobriram e divulgaram suas obras no século 19. Hoje, Schubert é visto como um dos principais expoentes do início da música romântica (era romântica)e continua sendo um dos compositores mais executados.


Gustav Klimt (Baumgarten, Viena, 14 de julho de 1862 — Viena, 6 de fevereiro de 1918) foi um pintor simbolista austríaco. Associado ao simbolismo, destacou-se dentro do movimento Art Nouveau austríaco e foi um dos fundadores do movimento da Secessão de Viena, que recusava a tradição acadêmica nas artes, e do seu jornal, Ver Sacrum. Klimt foi também membro honorário das universidades de Munique e Viena. Os seus maiores trabalhos incluem pinturas, murais, esboços e outros objetos de arte, muitos dos quais estão em exposição na Galeria da Secessão de Viena.


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.


2 comentários:

  1. A Mizzi, me parece, era uma gracinha ! Os quadros que Klimt pintou e que foram rejeitados pela Universidade, talvez,o foram por praga rogada pela srta. Zimermann, visto que serviram de desculpa para não toma-la em casamento. Minha conclusão, pela riqueza de detalhes de suas telas, o volume de sua obra e o número de jovens grávidas; Klimt não dormia ... Que tragédia a perda da coleção de Serena. Parabéns ao Arte pelo artigo.

    ResponderExcluir