segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Grandes marchands e mecenas da arte: Serena Lederer (Gustav Klimt)

Gustav Klimt – “Serena Pulitzer Lederer” – 1899 – óleo sobre tela – Metropolitan Museum of Art


Grandes marchands e mecenas da arte: Serena Lederer (Gustav Klimt)


Bonita e elegante, Serena Lederer Pulitzer era uma estrela da sociedade vienense da virada do século. Para este retrato acima, encomendado por seu marido, o industrial August Lederer, Klimt empregou pinceladas suaves e sinuosas para apresentar Serena como uma aparição em branco. "Uma flor na posição vertical, de haste longa ... como uma tulipa negra", entusiasmou-se um crítico quando a pintura foi mostrada em 1901 na décima exposição da Secessão de Viena, grupo fundado por Klimt e outros artistas quatro anos antes, com o objetivo de colocar a cidade na vanguarda do mundo da arte internacional. Os Lederers posteriormente formaram a melhor coleção da obra de Klimt em mãos privadas. 

Gustav Klimt - Charlotte Pulitzer (mãe de Serena Lederer) - 1915


Serena (Szeréna) Lederer, nascida Pulitzer (* 20 de maio de 1867, em Budapeste; † 27 de março de 1943) foi a esposa do magnata da Indústria August Lederer, amigo próximo de Gustav Klimt e instrumental na constituição da coleção de obras de arte de Klimt.
Nascida em uma rica família judia, parente do jornalista norte-americano Joseph Pulitzer, Serena era conhecida por sua notória beleza em sua juventude e posteriormente, uma Grande Dama. Ela casou em 05 de junho de 1892 com August Lederer. A família era residente de Raab (Győr), no Bartensteingasse n ° 8 em Viena e no castelo Ledererschlössel em Weidlingau. Em Viena, um cômodo do apartamento foi dedicado às obras de Klimt.
A pintura de Szeréna Lederer feito em 1899 foi a origem de uma estreita amizade. Por recomendação de Klimt, em 1912, Egon Schiele foi apresentado à família Lederer e se tornou amigo de Erich Lederer, o filho mais novo. Szeréna Lederer foi instrumental na coleção da obra de Klimt. Há retratos de sua mãe, sua filha Elisabeth e ela mesma pelo artista. Existe a suposição que Elisabeth era filha natural de Klimt.


Gustav Klimt - Baronesa Elisabeth Bachofen-Echt (filha de Serena Lederer) - 1914


A coleção Lederer foi confiscada de Serena em 1940 e ela fugiu para Budapeste, onde morreu três anos depois. A Gestapo transferiu a coleção para o Castelo Immendorf, mas o castelo foi incendiado em Maio de 1945, para que não caísse nas mãos dos Aliados e muitas obras foram destruídas, incluindo: Golden Apple Tree, Philosophy, Jurisprudence e Medicine (que Lederer comprou quando a Universidade de Viena rejeitou as 3 obras), Girl Friends e Music II. O número exato de pinturas queimadas em Schloss Immendorf é desconhecida.


Gustav Klimt - Golden Apple Tree - 1903


Gustav Klimt - Philosophy - 1903-7


Gustav Klimt - Jurisprudence - 1903-7


Gustav Klimt - Medicine, Hygieia - 1903-7


Gustav Klimt - Girlfriends or Two Women Friends - 1916–17


Gustav Klimt - Musik II - 1898

Gustav Klimt (Baumgarten, Viena, 14 de julho de 1862 — Viena, 6 de fevereiro de 1918) foi um pintor simbolista austríaco. Associado ao simbolismo, destacou-se dentro do movimento Art Nouveau austríaco e foi um dos fundadores do movimento da Secessão de Viena, que recusava a tradição acadêmica nas artes, e do seu jornal, Ver Sacrum. Klimt foi também membro honorário das universidades de Munique e Viena. Os seus maiores trabalhos incluem pinturas, murais, esboços e outros objetos de arte, muitos dos quais estão em exposição na Galeria da Secessão de Viena


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.




Nenhum comentário:

Postar um comentário