quinta-feira, 23 de julho de 2015

A história de The Magic Lantern de Charles Van Loo

Charles Amédée Philippe Van Loo - The Magic Lantern – 1764 – óleo sobre tela - 88.6 x 88.5 cm – National Gallery of Art, Washington, DC


A história de The Magic Lantern de Charles Van Loo

Numa pintura adorável de uma câmara obscura entrando no quadro, a família do artista nele retratada, é ofuscada pelo instrumento. Um fascinante estudo de perspectiva e dimensão, a pintura chamada "A Lanterna Mágica” foi mal nomeada. Ela mostra um garoto olhando para a lente enquanto abraça a câmera, e uma menina no primeiro plano, com a mão na moldura e com os dedos para fora do que seria o limite natural de um quadro, num efeito trompe l´oeil. Na pintura, as crianças se mostram embevecidas pela “novidade” e a mãe (ou irmã mais velha) delas nos encara com ar de cumplicidade.

A câmera claramente não é uma lanterna mágica, mas aparece, pelo lado esquerdo, entrando na vista. Esta terceira dimensão adicional nos lembra o ambiente natural que a câmara obscura fornecia aos artistas. Não está claro porque Van Loo nomeou a pintura assim. É evidente que o instrumento é uma câmera, não tendo características de uma lanterna. O retrato da família de Van Loo representa o trabalho final de uma câmera obscura. Fica óbvio que Van Loo nunca usou a câmera em sua arte.

Câmera obscura (ou escura) é um tipo de aparelho óptico baseado no princípio de mesmo nome, o qual esteve na base da invenção da fotografia no início do século XIX. Ela consiste numa caixa (ou também sala) com um buraco no canto, a luz de um lugar externo passa pelo buraco e atinge uma superfície interna, onde é reproduzida a imagem invertida. É possível que se originou a partir do século V A.C. na China, e teve princípios também vistos por Aristóteles na Grécia no século 4 A.C. A primeira câmera escura foi construída em meados do século VI, em experimentos de Antêmio de Tales. No século XI, durante a Dinastia Song, foi usado para aplicar atributos geométricos e quantitativos. Por volta do século XVIII, os desenvolvimentos seguintes por Robert Boyle e o criador do microscópio Robert Hooke, mais facilmente modelos portáteis se tornaram disponíveis, estes foram amplamente utilizados por artistas amadores e também por profissionais, como, por exemplo, o famoso pintor holandês Johannes Vermeer. 

Carle ou Charles-André van Loo (15 de Fevereiro de 1705 – 15 de Julho de 1765) foi um pintor francês. Ele era o membro mais famoso de uma dinastia de pintores bem sucedidos, de origem holandesa. Sua obra inclui praticamente todas as categorias: religião, história, mitologia, retrato, alegoria, etc.

Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.



Nenhum comentário:

Postar um comentário