domingo, 3 de julho de 2016

A história da pintura de Julius LeBlanc Stewart – “On the Yacht Namouna”

Julius LeBlanc Stewart - On the Yacht Namouna, Venice, 1890 – óleo sobre tela – 142 x 196 cm - Wadsworth Atheneum Museum of Art, Hartford, CT, USA


A história da pintura de Julius LeBlanc Stewart – “On the Yacht Namouna”


James Gordon Bennett (10 de Maio de 1841 – 14 de Maio de 1918), um amigo de Julius LeBlanc Stewart, era o editor do New York Herald, fundado pelo seu pai (que emigrou da Escócia), e foi um playboy notório que gostava de atividades extravagantes e de lazer, incluindo iates. Entre suas muitas realizações relacionadas com o esporte, ele organizou a primeira partida de polo e a primeira partida de tênis nos Estados Unidos, e ele venceu a primeira corrida de iates transoceânica.

Stewart pintou vários retratos de grupo de Bennett antes de executar a obra “On the Yacht Namouna, Venice”. Usando o iate de Bennett como cenário, Stewart revela livremente a moral despreocupada da nova geração de americanos ricos que nunca exerceram trabalho duro, ao ganhar as fortunas herdadas dos seus antepassados. Nesta cena, com os personagens longe no mar e isolados, as pretensões sociais e o decoro são descartados durante esta tarde quente e ensolarada de frivolidade. Namouna era o maior e mais luxuoso iate particular do mundo quando Bennett o encomendou em 1882. Medindo 226 pés de comprimento, Louis C. Tiffany executou os mosaicos da lareira e ornamentos de vidro.

Uma das retratadas na pintura é a atriz Lillie Langtry (nascida Emilie Charlotte Le Breton - 13 de Outubro de 1853 - 12 de Fevereiro de 1929), celebrada como uma jovem de beleza e encanto, atriz e produtora. Sua aparência e sua personalidade atraíram o interesse, comentários e convites de artistas e damas da sociedade. Ela também era conhecida por seus relacionamentos com nobres, inclusive o Príncipe de Gales. Ela foi objeto de amplo interesse público e da mídia.

Julius LeBlanc Stewart (6 de Setembro de 1855, Filadélfia – 5 de Janeiro de 1919, Paris) aos dez anos mudou para Paris com sua família, onde viveu o resto de sua vida, e estabeleceu uma carreira de sucesso como pintor de retratos da elite da sociedade americana e francesa. Ele exibiu suas pinturas no famoso Salão de Paris entre 1878 e 1895. Durante sua carreira, vários americanos expatriados ricos que viviam em Paris encomendavam a Stewart retratos em grande escala de seus amigos e familiares.

Um contemporâneo de seu colega (e também pintor americano expatriado) John Singer Sargent, Stewart foi apelidado "o parisiense de Filadélfia". Seu pai foi o milionário do ramo de açúcar William Hood Stewart, que se tornou um grande colecionador de arte e um mecenas dos artistas Barbizon. Julius estudou com Eduardo Zamacois, com Jean-Léon Gérôme na École des Beaux-Arts, e mais tarde foi aluno de Raymondo de Madrazo.


Julius LeBlanc Stewart - Yachting in the Mediterranean, 1896 – óleo sobre tela - 110.5 x 161.3 cm – coleção particular


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas por favor o compartilhe, usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais. Obrigada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário