segunda-feira, 31 de agosto de 2015

A História dos Retratos de Madame Récamier

Portrait of Madame Récamier - François Pascal Simon, Baron Gérard - 1802 – óleo sobre tela - 225 × 145 cm - Musée Carnavalet, Paris


A História dos Retratos de Madame Récamier 


Portrait of Madame Récamier - Jacques-Louis David – 1800 – óleo sobre tela – 174 x 224 cm – Louvre, Paris


O Retrato de Madame Récamier por Jacques-Louis David, mostra a socialite de Paris, Juliette Récamier, no auge da moda neoclássica, reclinada sobre um sofá estilo Diretório em um vestido de linha Império, com braços quase nus, e cabelo curto "à la Titus", tudo isso sendo muito avant-garde para a época. Récamier é um tipo de sofá ou chaise longue em que ela gostava de se reclinar e foi assim nomeado em sua homenagem. Esse é menos do que um retrato de uma pessoa mas sim, um ideal de elegância feminina. Madame Récamier (1777-1849), embora com apenas vinte e três anos, já era uma das mulheres mais admiradas do seu tempo.

Encomendada por Madame Récamier em 1800, a imagem permaneceu inacabada. David não estava satisfeito e queria refazê-la, mas para Madame Récamier, David trabalhou muito lentamente, e ela encomendou a um de seus alunos (François Pascal Simon) um novo retrato. Contrariado por isso, David disse a ela: "As mulheres têm seus caprichos, assim como os artistas. Permita-me satisfazer o meu, mantendo este retrato". A pintura permaneceu em seu estúdio, inacabado, e provavelmente não foi visto pelo público até ele entrar no acervo do Louvre em 1826.

François Pascal Simon, Barão de Gérard (Roma, 12 de março de 1770 — Paris, 11 de janeiro de 1837), mais conhecido por François Gérard, foi um pintor e gravador neo-clássico francês que se destacou como retratista. Os seus retratos, em especial os femininos, são notáveis pela delicadeza do traço e pela simplicidade e franqueza de expressão. 

Jeanne-Françoise Julie Adélaïde Récamier (04 de dezembro de 1777 - 11 de maio de 1849), conhecida como Juliette, era uma líder da sociedade francesa, cujo salão atraiu parisienses dos principais círculos literários e políticos do início do século 19. Nascida em Lyon, era a única filha de Jean Bernard, conselheiro do Rei e um notário, e sua esposa, Marie Julie Matton.

Ela casou aos 15 anos com Jacques-Rose Récamier (1751-1830), um banqueiro quase 30 anos mais velho que ela. Récamier escreveu: "Eu não estou apaixonado por ela, mas eu sinto por ela uma afeição genuína. Ela possui virtudes e princípios que são raros em uma idade tão precoce, é de coração terno, carinhoso, caridoso e gentil, amada por todos que a conhecem”. Surgiu um boato de que ele era de fato o seu pai natural, que casou com ela para fazê-la sua herdeira. Isso não foi provado. O casamento nunca foi consumado e Juliette permaneceu virgem até, pelo menos, seus quarenta anos. Ela era charmosa e atraente e tinha muitos admiradores, destacando-se: François-René de Chateaubriand, Lucien Bonaparte, Príncipe Augusto da Prussia.

Linda, realizada, e com amor pela literatura, Juliette era tímida e modesta por natureza. Desde os primeiros dias do Consulado Francês até quase o fim da Monarquia de Julho, o seu salão em Paris foi um dos principais resorts da sociedade literária e política que seguiam o que estava na moda. Os habitués de sua casa incluíam muitos ex-monarquistas, mais ou menos descontentes com o governo. Esta circunstância, juntamente com a sua recusa em agir como dama de companhia para Imperatriz consorte Joséphine de Beauharnais e sua amizade com Germaine de Staël, a trouxe sob suspeita.
Foi através de Mme de Staël que Mme Récamier conheceu Benjamin Constant. Mme Récamier acabou sendo exilada de Paris pelas ordens de Napoleão I. Depois de uma curta estadia em sua Lyon natal, ela foi a Roma, e, finalmente, para Nápoles. Lá Mme de Récamier estava em muito bons termos com Joachim Murat e sua esposa Caroline Bonaparte, que eram, então, opositores dos Bourbons. Ela convenceu Constant a defender as reivindicações de Murat em um memorando dirigido ao Congresso de Viena, e também induziu-o a assumir uma atitude decidida em oposição a Napoleão durante os Cem Dias. Seu marido sofreu pesadas perdas financeiras em 1805. Houve um projeto para seu divórcio, a fim de que ela pudesse se casar com o príncipe Augusto da Prússia, mas, embora seu marido estivesse de acordo, isso não foi providenciado. Ela perdeu a maior parte do que restava de sua fortuna, mas continuou a receber visitantes em seu apartamento em L'Abbaye-aux-Bois, um convento do século 17 (demolido em 1907) situado na rua 16 rue de Sèvres, em Paris, onde ela se aposentou em 1819.

Salon: Um salão literário (salon littéraire em francês) é uma reunião onde homens e mulheres eruditos se encontram regularmente, sob os auspícios de um anfitrião (ou anfitriã) para mútua diversão e para debater questões relativas a eventos correntes, filosofia, literatura, moral etc. O termo é geralmente associado aos encontros literários e filosóficos da França dos séculos XVII e XVIII, embora continue a ser praticado em muitos lugares do mundo mesmo nos dias de hoje. O termo foi muito utilizado para descrever os encontros das "précieuses", os círculos intelectuais e literários que se formavam ao redor de mulheres eruditas na primeira metade do século XVII, cuja afetação era ridicularizada por Molière. Alguns dos salon do século XIX eram mais inclusivos, aproximando-se da informalidade e centrados à roda de pintores e "leões literários", tais como o de Mme Récamier. 


Detalhe da tela de François Pascal Simon

Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário