quinta-feira, 24 de julho de 2014

Histórias da História da Arte: Kate Newton e o pintor James Tissot

James Tissot - Retrato da Sra. Newton - Kathleen Newton - em 1876

Histórias da História da Arte: Kate Newton e o pintor James Tissot 

Kathleen Irene Ashburnham "Kate" Kelly era descendente de uma família de médicos católicos irlandeses e foi criada em Agra e Lahore, na Índia. Seu pai, Charles Frederick Ashburnham Kelly, um oficial do exército irlandês, foi contratado pela Companhia das Índias Orientais, em Lahore. A mãe, Flora Boyd, era da Irlanda. Em 1858, o pai de Kate foi transferido para Agra, uma cidade famosa pelo Taj Mahal, onde subiu para o posto de principal ajudante e oficial contador.


James Tissot - A Type of Beauty


James Tissot – “October” – 1877 – óleo sobre tela - Musée des beaux-arts de Montréal


Kelly fez um arranjo de casamento para sua filha de dezesseis anos de idade, Kate com Isaac Newton, um cirurgião do Serviço Civil indiano. Na viagem de ida para se casar, o capitão Palliser ficou obcecado com sua beleza, mas não teve sucesso em sua sedução. Depois do casamento, em Janeiro de 1870 e antes da consumação, Kate, supostamente mediante os conselhos de um padre católico, explicou a Isaac o ocorrido com o capitão. Newton instituiu o processo de divórcio e mandou-a de volta para a Inglaterra. O capitão pagou sua passagem, negociando  em troca, que ela se tornaria sua amante. Ela ficou grávida, mas se recusou a casar com Palliser. Sua filha, Muriel Violet Mary Newton, nasceu em Yorkshire em 20 de dezembro de 1871. O divórcio foi concedido em 20 de julho de 1872. Kate e Violet foram morar com a família da irmã de Kate, Polly em Hill Road, St John Wood.


James Tissot – “The Hammock” (A Rede) – 1879 – óleo sobre tela -  127 x 76 cm


Depois de seu envolvimento nos acontecimentos da Comuna de Paris em 1871, o pintor francês Jacques Tissot - James Joseph Jacques Tissot (Nantes15 de outubro de 1836 – Buillon8 de agosto de 1902) - mudou para Londres e também mudou seu nome para James. Em Março de 1876, Kate deu à luz seu filho, Cecil George Newton Ashburnham. Tissot é supostamente o pai da criança. Kate e seus filhos mudaram para sua casa. Naquele mesmo ano, ela apareceu pela primeira vez em uma de suas pinturas,  A Passing Storm, e uma gravura, intitulada Ramsgate.


James Tissot - A Passing Storm - c. 1876 - óleo sobre tela - 76.84 × 99.7 cm


James Tissot – “Hide and Seek” (esconde-esconde) - c. 1877 – óleo sobre madeira - 73.4 × 53.9 cm – National Gallery of Art 


James Tissot – “In the Sunshine” (Ao sol) – c. 1881 – óleo sobre tela 
Esta pintura encantadora mostra Kathleen sentada sobre um tapete no jardim, ao lado de sua filha Violet. A outra menina pequena segurando o guarda-sol é sua sobrinha, Lillian Hervey. Sentada no muro está sua irmã, Mary Hervey (Polly), bagunçando o cabelo de Cecil George Newton, que se supõe ser o filho de James Tissot.

James Tissot - Auto-retrato - 1865


Depois de 1.876 as pinturas de Tissot tendem a refletir cenas domésticas ao invés da vida da sociedade. Kate tinha 23 anos quando, em 1877, posou para a pintura "Mavourneen", um termo carinhoso derivado do gaélico irlandês "mo mhuirnín" ("minha querida"), possivelmente uma referência a "Kathleen Mavourneen", uma canção popular ou a peça (com base na canção), que foi encenada pela primeira vez em Londres, em 1876. Ela foi chamada de "ravissante Irlandaise", e Tissot era fascinado pelo conflito de sua formação católica irlandesa, o divórcio e o status de mãe solteira de dois filhos.


James Tissot - "Mavourneen" - 1877 - óleo sobre tela


James Tissot - L’Ete (Verão) – 1878 - 91.44 x 50.80 cm


Embora não fosse incomum aos homens bem sucedidos e ricos daquela época manterem uma amante, eles não as exibiam nem anunciavam a sua ligação (como fez Tissot) de forma aberta. O caso muito público de Tissot com Kathleen chocou a sociedade de Londres, que o havia recebido de braços abertos e ele teve que escolher entre sua vida social e Kathleen. Para Tissot não havia dúvida: Kathleen era o amor de sua vida. Ele e Kathleen se acomodaram numa vida de domesticidade e foram felizes, com seus muitos amigos artistas que continuaram a apoiá-los. Eles nunca se casaram e isso pode ter sido devido às suas educações católicas rígidas e crenças. 


James Tissot – “The Garden Bench” (O Banco de Jardim) - 1882
A pintura acima mostra Kathleen Newton e seus filhos, Cecil George e Violet e sua sobrinha, Lilian Hervey, filha de sua irmã Polly. Embora Tissot tenha exposto a pintura, ele não a vendeu e a manteve com ele, como um memorial, até sua morte.


James Tissot – “Quiet” - c. 1881 - 33.02 x 22.86 cm


Tissot descreveu sua vida como "felicidade doméstica", mas Kate contraiu tuberculose. Como sua saúde piorou, a arte de Tissot sutilmente mudou novamente, refletindo temas da doença ou de partida. Ela foi incapaz de ver o seu sofrimento e ingeriu uma overdose de láudano, morrendo em novembro de 1882. Tissot sentou-se ao lado do seu caixão por quatro dias. Divorciada por ser honesta e íntegra, a mãe solteira de dois filhos e musa de algumas das mais belas obras do período vitoriano se matou aos 28 anos, porque não podia suportar a tristeza de seu amante. Depois disso ele deixou Londres e se dedicou a pinturas religiosas.


James Tissot, Kathleen Newton e seus filhos Violet e Cecil, 1879


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.





Nenhum comentário:

Postar um comentário