quarta-feira, 18 de maio de 2016

Sanguínea, uma técnica de desenho

Antoine Watteau – Estudo de Cabeças, c. 1721 - sanguínea - Collection of Jean Bonna, Geneva


 Sanguínea, uma técnica de desenho



Leonardo da Vinci – Autorretrato presumido, c. 1512 – sanguínea – 33,3 x 21,3 cm – Biblioteca Reale, Turim



Sanguínea se refere a desenhos feitos com giz, também denominado sanguíneo, de uma cor marrom-avermelhada semelhante à terracota, mistura de caulim e hematita, e assim chamado porque se assemelha à cor de sangue seco. É popular há séculos para desenho sobre papel branco, já que o giz branco só funciona em papel colorido. A palavra vem do italiano “sanguigna” e originalmente do latim "sanguis". Também é disponível em vários outros tons como laranja, cobre, marrom e bege.


Michelangelo – Retrato com Turbante Oriental, c. 1522 – Ashmolean Museum, Oxford


O giz sanguíneo presta-se naturalmente para esboços, desenhos de modelo vivo, e cenas rústicas. Sob a forma de lápis de madeira e varas fabricadas, pode ser usado de forma semelhante ao carvão e pastel. Um fixador pode ser aplicado para preservar o estado acabado do desenho. Sanguínea é também uma família de pigmentos em tons de terra vermelha.


Sir Peter Paul Rubens - Nicolaas Rubens Wearing a Coral Neckless, c. 1619 – giz branco, preto e sanguíneo sobre papel – Albertina Museum, Viena


Jean-Honoré Fragonard - "Vista do Serapeum no Villa de Adriano", 1760 – sanguínea sobre desenho em giz preto, 35,1 x 48,3 cm - Fondation Custodia, coleção Frits Lug



A técnica foi usada por Leonardo da Vinci, Rafael, Rubens e Fragonard, que empregavam efeito de "sfumato". Nos séculos 17 e 18, o giz sanguíneo foi usado como parte da técnica de Três Gizes, que incluía giz sanguíneo, carvão vegetal e giz branco. Esta técnica era considerada como uma transição do desenho para a pintura.


Sir Peter Paul Rubens – cópia da figura de 'Prudence' do afresco de Rafael 'The Virtues' – sanguínea – National Galleries of Scotland


Mademoiselle de Mondran - Étude d'après un buste romain, 1786 – 50, 8 x 37,7 cm – Musée Paul-Dupuy


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas por favor o compartilhe, usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais. Obrigada.


2 comentários: