quinta-feira, 5 de abril de 2018

Análise da pintura de Jean-Honoré Fragonard - A Young Girl Reading

Jean-Honoré Fragonard - A Young Girl Reading (Uma Jovem Lendo), c. 1769 – óleo sobre tela - 81.1 x 64.8 cm – National Gallery of Art, Washington, DC, USA


Análise da pintura de Jean-Honoré Fragonard - A Young Girl Reading


Uma das pinturas mais simples e elegantes de Jean-Honoré Fragonard, Young Girl Reading cativou o público ao longo dos tempos com o seu calor e sensualidade. A modelo do retrato é desconhecida. Esta pintura é uma representação de uma modelo recatada em um vestido amarelo-limão com um colarinho elaborado, sentada ao lado de uma janela, com um livro em uma mão erguida. A jovem leitora está resolutamente mergulhada em seu livro, parecendo distante e absorvida. A fluidez de seus contornos é típica da pintura rococó.  A paleta da pintura é dominada por amarelo vibrante, lilás e rosa. Suas pinceladas são enérgicas e gestuais.

Por volta de 1769, Jean Honoré Fragonard pintou um grupo de obras conhecidas hoje como suas figuras de fantasia: telas vibrantes mostrando modelos individuais vestidos com roupas extravagantes e retratados em pinceladas notavelmente soltas e cores vivas. Entre suas obras mais admiradas, essas imagens também são as mais misteriosas e, portanto, suscitaram o maior debate, produzido por razões desconhecidas, talvez representando indivíduos reais, talvez não. Em 2012, os pesquisadores descobriram um desenho anteriormente desconhecido por Fragonard que incluía esboços de 18 pinturas, muitas reconhecidas como figuras de fantasia conhecidas. O desenho também incluiu um esboço correspondente a Young Girl Reading, estabelecendo de forma conclusiva uma relação entre esta pintura e as figuras de fantasia.

Cativado pela beleza feminina da menina ou talvez pela natureza da feminilidade em geral, Fragonard está pedindo ao espectador para questionar o que ela está lendo, criando uma sensação de mistério dentro do retrato e como isso pode afetar seus pensamentos e emoções. Desta forma, o espectador é atraído para a cena, e o retrato se torna uma meditação sobre a beleza e o ato de ler. O trabalho de Fragonard destina-se a ser agradável aos olhos acima de tudo, trazendo uma sensação de alegria e calor ao espectador.

Jean Honoré Fragonard (Grasse, 5 de abril de 1732 - Paris, 22 de agosto de 1806) foi um pintor e impressor rococó, um dos mais prolíficos pintores do Ancién Regime. Um dos mais prolíficos artistas nas últimas décadas do Antigo Regime, Fragonard produziu mais de 550 pinturas (além de desenhos e gravuras), das quais apenas cinco são datadas. Entre suas obras mais populares estão as pinturas de gênero que transmitem uma atmosfera de intimidade e erotismo velado. Ele mostrou um grande talento para a arte em tenra idade, e foi enviado para estudar com o pintor rococó François Boucher. Aos 23 anos ele se mudou para estudar na Academia Francesa de Arte em Roma, onde foi influenciado pelos românticos jardins, templos, grutas, terraços e fontes.

Em 1765, ele foi admitido na Academia Francesa, e mostrou seu talento para cenas íntimas, levemente eróticas, favorecidas por clientes ricos e membros da corte lasciva de Luís XV. Ele era muito popular até que a Revolução Francesa privou Fragonard de seus clientes, muitos dos quais foram guilhotinados ou exilados. Sem patronato, ele deixou Paris em 1793, morando com seu amigo Maubert, cuja casa ele decorou com uma série de painéis ricamente decorados. Ao retornar a Paris, ele descobriu que estava quase completamente esquecido, suas cenas eróticas aparentemente irrelevantes após a reviravolta da Revolução Francesa. Ele morreu em 1806 e pouco foi escrito sobre ele ou sua obra até quase meio século depois. Ele é agora considerado um dos mestres da pintura francesa.


Esse blog possui mais um artigo sobre Jean Honoré Fragonard. Clique sobre o link abaixo para ver:



Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas por favor o compartilhe, usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais. Obrigada.



Nenhum comentário:

Postar um comentário