terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Kazimir Malevich, sua obra e sua história

Kazimir Malevich - Self Portrait - 1908-1910 - State Tretyakov Gallery, Moscow


Kazimir Malevich, sua obra e sua história


Kazimir Malevich - Morning in the Village after a Snowstorm, 1912 – óleo sobre tela – 80 x 80 cm - Solomon R. Guggenheim Museum, New York 


Kazimir Malevich, uma história fascinante de ideais revolucionários e do poder da própria arte. Kazimir Malevich Severinovich (23 de fevereiro de 1878 - 15 de maio de 1935) foi um pintor russo e teórico da arte. Nasceu perto de Kiev, na Ucrânia. Ele foi um pioneiro da arte abstrata geométrica e o criador do movimento de vanguarda Suprematista. Ao lado de Kandinsky e Mondrian, Malevich é um dos inventores e teóricos da arte não figurativa. Como fundador do Suprematismo, levou o abstracionismo geométrico à sua forma mais simples, sendo o primeiro artista a usar elementos geométricos abstratos. O termo “suprematismo” se refere a uma arte abstrata baseada na “supremacia do sentimento artístico puro", em vez da representação visual de objetos.


Kazimir Malevich - An Englishman in Moscow, 1914 - Stedelijk Museum, Amsterdam


Malevich viveu e trabalhou num dos períodos mais turbulentos da história do século XX. Tendo crescido na Rússia czarista, ele testemunhou a Primeira Guerra Mundial e a Revolução de Outubro em primeira mão. Seus experimentos iniciais como pintor o levaram para a invenção do Suprematismo, uma linguagem visual arrojada de formas geométricas e cores gritantes, sintetizadas pela obra “Quadrado Preto”. Uma das obras definidoras do Modernismo, sua pintura foi revelada ao mundo depois de meses de segredo e ficou escondida novamente por quase meio século depois da morte de seu criador. Ela fica em pé de igualdade com o “readymade” de Duchamp, como um momento de mudança na arte do século XX e continua a inspirar e confundir os espectadores até hoje.


Kazimir Malevich - Black Square, 1913 - State Tretyakov Gallery, Moscow


A partir de suas primeiras pinturas de paisagens russas, trabalhadores agrícolas e cenas religiosas, Malevich segue uma jornada para a pintura abstrata e suas obras-primas suprematistas, o seu abandono temporário da pintura em favor do ensino e da escrita, e seu retorno muito debatido à pintura figurativa ao final de sua vida.


Kazimir Malevich – Suprematism, 1915 - State Russian Museum, St Petersburg


Kazimir Malevich - Dynamic Suprematism, 1915-16 - Oil on canvas - 803 x 800 mm - Tate Gallery


Em 1915, embarcou em um estilo completamente abstrato a que deu o nome Suprematismo com base em elementos geométricos puros de relacionamento, sugerindo flutuação, queda, ascensão, etc. Mudou-se para Vitebsk em 1919, a convite de Chagall para ensinar na sua escola de arte. Nessa época escreveu a maior parte dos seus textos filosóficos e teóricos. A partir de 1923, o artista viveu em Petrogrado, continuando a ensinar. Por volta de 1925, começa a construir os architectons, composições suprematistas espaciais. Em 1927, Malevich expôs suas obras pela primeira vez em Berlim e retornou à arte figurativa. Deixou na Alemanha 70 quadros e um manuscrito "O suprematismo ou o mundo sem objeto", publicado pela Bauhaus.


Kazimir Malevich - Woman with a Rake, 1930-32 – óleo sobre tela – 100 x 75 cm - Tretyakov Gallery, Moscow, Russia


Kazimir Malevich – Sportsmen, 1930-31 – óleo sobre tela - 142 × 164 cm - The State Russian Museum, St. Petersburg


Os trabalhos de Malevich estão em vários grandes museus de arte, incluindo a State Tretyakov Gallery, em Moscou, e em Nova York, no Museum of Modern Art e no Museu Guggenheim. O Museu Stedelijk, em Amsterdam possui 24 pinturas de Malevich, mais do que qualquer outro museu fora da Rússia. Outra grande coleção de obras de Malevich está no Museu Estadual de Arte Contemporânea de Thessaloniki.



Kazimir Malevich - Woman Worker, 1933 – óleo sobre tela - State Russian Museum


Kazimir Malevich – Autorretrato, 1933 – óleo sobre tela – 73 x 66 cm - Russian Museum, St. Petersburg, Russia


Assista um vídeo de uma exposição do artista na Tate Modern em Londres, em 2014, com a historiadora de arte Rosie Rockel e o curador da exposição Achim Borchardt-Hume, comentando sobre as obras:





Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas por favor o compartilhe, usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais. Obrigada.


4 comentários:

  1. Muito obrigada por essa matéria! Salvou a minha Nota!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom! Peço por favor para que ajude a divulgar o blog, a página do Facebook www.facebook.com/arteeblog a do Instagram @arteeblog e a do Twitter @arteeblog. Obrigada

      Excluir
  2. Será que posso partilhar ,algumas obras e textos ,nomeando o blog?
    Aguardo resposta. Obrigada
    Tina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tina, os artigos do blog devem ser compartilhados por inteiro, clicando nos ícones de compartilhamento para redes sociais ou e-mail, localizados logo abaixo dos artigos. Assim o direito autoral fica preservado. Também temos uma página no Facebook ( www.facebook.com/arteeblog ), no Twitter ( @arteeblog ) e no Instagram ( @arteeblog ), onde publicamos os artigos, com direcionamento para cá. Obrigada.

      Excluir