quinta-feira, 19 de março de 2015

A história da obra “Three Tahitians” de Paul Gauguin

Paul Gauguin – “Three Tahitians” – 1899 – óleo sobre tela - 73 x 94 cm - Scottish National Gallery

A história da obra “Three Tahitians” de Paul Gauguin


Três figuras se destacam contra um fundo colorido vívido. Duas mulheres ladeiam um jovem, visto por trás. Elas podem estar oferecendo uma escolha a ele, possivelmente entre o vício, simbolizado pela maçã, e a virtude, simbolizada pelas flores. Esta sugestão está vinculada ao caráter alegórico de muitas das pinturas taitianas de Gauguin em que as idéias de diferentes culturas se fundem. Essa obra-prima da carreira de Gauguin ilumina sua busca de envolvimento multi-sensorial na arte moderna. Gauguin usou as mesmas duas jovens mulheres como modelos em outras pinturas feitas nessa época, durante o seu segundo período no Taiti, entre 1895 e 1901.
As pinturas extremamente originais de Gauguin (Eugène-Henri-Paul Gauguin 1848 - 1903) influenciaram profundamente a arte moderna do século XX. Descrito como um "pós-impressionista ', ele se inspirou em Pissarro para a pintura, mas desenvolveu um estilo simbólico, usando a cor para expressar significado. As tradições da arte ocidental e culturas fora da Europa influenciaram seu trabalho. O gosto de Gauguin por viagens e novas experiências começou quando, ainda criança, mudou de Paris para o Peru. Em 1883 ele abandonou a corretagem de valores para se dedicar à pintura em tempo integral. Pintou na Bretanha, e em Provence com Van Gogh. Gauguin viajou para o Panamá e Martinica e se estabeleceu no Tahiti por vários anos. Ele faleceu nas remotas Ilhas Marquesas.

Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário