terça-feira, 24 de março de 2015

A história da obra de Claude Monet – "Claude Adolphe Monet Reading in a Garden"

Claude Monet – "Claude Adolphe Monet (1800–1871) Reading in a Garden" – 1867 – óleo sobre tela


A história da obra de Claude Monet – "Claude Adolphe Monet Reading in a Garden


A vista do jardim de Monet apresenta um vislumbre dos jardins bem cuidados de Le Coteau, propriedade de sua tia, na estância balnearia de Saint-Adresse, onde se refugiou "no seio da família" durante o verão de 1867. Além de alojamento e alimentação, o pobre jovem artista parece ter gostado do apoio familiar ("a ponto de admirarem cada traço do meu pincel"), até mesmo de seu pai severo, Claude Adolphe Monet (1800–1871), que posou como cavalheiro garboso lendo seu jornal, inteligentemente vestido com um chapéu panamá, sobrecasaca escura e calça cinza-claro. O patriarca da família, de sessenta e sete anos de idade, também aparece em outras cenas da vida moderna, em "Jardim em Sainte-Adresse" e "Regata em Sainte-Adresse", da mesma data.


Claude Monet - "A Regata em Sainte-Adresse (Régates à Sainte-Adresse)" – 1867 – óleo sobre tela – 75,2 x 101,6 cm - Metropolitan Museum of Art, New York


Esta pintura e "A praia em Sainte-Adresse" provavelmente foram concebidas como um par. Elas são idênticas em tamanho, e seu ponto de visão difere por apenas alguns metros.


Claude Monet - "A Praia em Sainte-Adresse" – 1867 – óleo sobre tela – 75,8 x 102,5 cm – Art Institute Chicago


Sainte-Adresse, subúrbio próspero de Le Havre, foi a casa do pai de Monet. Desprovido, Monet passou o verão de 1867 com seu pai e sua tia Sophie Lecadre ao custo de abandonar sua companheira, Camille Doncieux, e seu filho recém-nascido, Jean. Monet compareceu ao parto em Paris e voltou para a costa, alguns dias depois.
O par de pinturas justapõe esta regata ensolarada observada na maré alta por burgueses bem vestidos, com uma cena nublada na maré baixa, com barcos de pesca rebocados para a praia povoada de marinheiros e trabalhadores. Como Monet nunca expôs as pinturas lado a lado, o contraste entre elas, provavelmente, não foi concebido como um manifesto social, mas em vez disso reflete condições diferentes sob as quais o mesmo lugar poderia ser pintado.


Claude Monet - "O Jardim em Sainte-Adresse (Jardin à Sainte-Adresse)" – 1867 – óleo sobre tela – 98 x 130 cm – Metropolitan Museum of Art, New York

Monet passou o verão de 1867 no balneário de Sainte-Adresse no Canal Inglês, perto de Le Havre (França). Foi lá, em um jardim com vista para Honfleur no horizonte, que pintou esta imagem, que combina áreas suaves, tradicionalmente pintadas com passagens brilhantes de pinceladas rápidas e separadas e com manchas de cor pura.
Os modelos foram provavelmente: o pai de Monet, Adolphe, sentado em primeiro plano, a prima de Monet, Jeanne Marguérite Lecadre, Dr. Adolphe Lecadre (o pai dela) e talvez, outra filha de Lecadre, Sophie, a mulher sentada, de costas para o espectador.
 Embora a cena projete uma cena doméstica, não é um retrato de família. A relação de Monet com seu pai estava tensa naquele verão, devido à desaprovação familiar da ligação do jovem artista com sua companheira e noiva, Camille Doncieux.

Monet descreveu este trabalho em suas correspondências como "a pintura chinesa em que há bandeiras". Seu amigo Renoir se referiu a ele como "a pintura japonesa". Na década de 1860, as faixas horizontais planas da composição de cor lembravam a sofisticação das coloridas xilogravuras japonesas, que foram avidamente coletadas por Monet, Manet, Renoir, Whistler e outros em seu círculo. A gravura do artista japonês Hokusai que pode ter inspirado esta imagem, "Salão Turbante do Templo dos Quinhentos Rakan" (1830), continua hoje em na casa-museu de Monet em Giverny.

O vantajoso ponto de vista elevado e relativamente até mesmo o tamanho das áreas horizontais enfatizam a bidimensionalidade da pintura. As três zonas horizontais da composição parecem se elevar em paralelo ao plano de imagem em vez de recuar para o espaço. A tensão sutil resultante da combinação de ilusionismo e a bidimensionalidade da superfície manteve-se uma característica importante do estilo de Monet.


Katsushika Hokusai (1760-1849) - "Salão Turbante do Templo dos Quinhentos Rakan" – 1830-5 - xilogravura - National Gallery of Australia, Canberra  - parte da série: 36 Vistas do Monte Fuji


Texto escrito e/ou traduzido e/ou adaptado ©Arteeblog - não copie esse artigo sem autorização desse blog, mas compartilhe usando os ícones de compartilhamento para e-mail ou redes sociais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário